Aos 44 anos, a empresária Janete Martins precisou encarar de frente uma situação que ela nunca imaginou que enfrentaria: o racismo. Moradora de Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba,  ela recebeu um bilhete em sua caixa de correio na última sexta-feira (17) com diversos insultos devido à cor da sua pele. Uma foto do bilhete foi divulgada no Facebook, e o post viralizou rapidamente pela gravidade do seu conteúdo.

“Passei aqui na sua casa só para deixar um recadinho… Você sabe que a maioria das pessoas brancas não gostam de gente de cor como você, pena que poucas tem a coragem que tenho. A maioria diz não ser racista. A verdade é que nenhum branco dá o mesmo valor a uma pessoa de cor. Você nunca vai ganhar como um branco, nunca terá o mesmo valor de um branco, nunca será recebida igual uma de nós… Você carrega no sangue o DNA de um escravo e sempre será tratado como tal”, dizia o bilhete, que chocou a empreendedora.

LEIA MAIS: Estádio de time sérvio é interditado após brasileiro ser alvo de racismo

Segundo ela, a situação a deixou indignada e muito triste. “Eu não sei quem escreveu, mas essa pessoa precisa saber que não pode agir assim com outro ser humano. Todos merecem respeito e não podem ser ofendidos”, afirmou.

Para piorar a situação, alguns dias antes ela havia recebido a visita de uma mulher em sua empresa, que também a constrangeu. “Ela me viu e pediu pra falar com a proprietária. Quando eu disse que era a dona, ela falou que tinha vindo por indicação de uma amiga, mas essa amiga não tinha dito que eu era uma pessoa de cor. Aí eu falei que era negra mesmo, e ela entrou no carro e foi embora”, disse.

Janete não sabe se essa mulher também foi a responsável pelo bilhete, mas ela e sua filha postaram a “cartinha” na internet com o objetivo de que o assunto chegasse até  a amiga da senhora. “Só não imaginei que daria tanto resultado. Já recebi mensagens de apoio de todo o Brasil e do exterior. Estou sofrendo muito e me senti muito constrangida, mas espero que meu exemplo faça diferença para acabar com isso”, finaliza.

bilhete-racismo-araucaria