O mecânico industrial aposentado Claudionor Cosme Gonçalves, que faria 65 anos nesta segunda-feira (15), foi morto com golpes de martelo pelo próprio filho, Claudinei Cardozo Gonçalves, 30 anos. O crime ocorreu na casa da família, na Rua Joaquim Celestino Ferreira, no Jardim Esmeralda, em Campo Largo, na hora do almoço deste domingo (14).

+ Atenção! Você está a um clique de ficar por dentro do que acontece em Curitiba e Região Metropolitana. Tudo sobre nossa regiãofutebolentretenimento horóscopo, além de blogs exclusivos e os Caçadores de Notícias, com histórias emocionantes e grandes reportagens. Vem com a gente!

O sargento Baranhuk, do 17.° Batalhão da PM, contou que quando chegaram ao local, Claudionor já estava morto na cozinha e havia muito sangue pela casa. A esposa dele estava sendo atendida pelo Samu, pois estava passando mal com toda aquela situação.

Logo os policiais ficaram sabendo que o autor do crime estava num dos quartos. “Quando o encontramos ele parecia calmo. Confirmou que havia matado o pai. Mas quando demos voz de prisão ele ficou fora de si, reagiu à prisão. Precisamos chamar outra equipe policial para contê-lo e levá-lo preso”, contou o sargento. E mesmo sabendo que o próprio filho era autor do crime que vitimou seu marido, a mãe, disse o sargento, não queria que Claudinei fosse preso e dizia que o filho não sabia o que estava fazendo.

Claudinei foi levado preso em flagrante à delegacia de Campo Largo, onde ele chegou, conforme o sargento, falando coisas sem nexo. O martelo que ele usou no crime foi recolhido pela polícia.

Drogas

Ezequiel Ferreita Portela é pastor da Igreja Presbiteriana Renovada Independente, frequentada por Claudionor há alguns anos. Ele conta que o homem andava doente, fraco e recentemente tinha feito cateterismo. Semanalmente fiel e pastor conversavam na igreja, quando quase sempre Claudionor se queixava do filho. Contava do vício em drogas do rapaz, que além de viver pedindo dinheiro ao pai para consumir entorpecentes, também avançava sempre em cima do pai durante as brigas. Brigavam muito e, há dois anos, o filho já tinha agredido o pai uma vez. Claudionor, por sua vez, para livrar o filho de encrencas, já teria inclusive pago dívidas do filho com traficantes.

No sábado, contou o pastor, o pai conseguiu convencer o filho a ir à igreja. Claudinei chegou muito alterado e agitado antes do culto. Mas se acalmou e, depois do culto, pediu desculpas ao pastor, além de abraçá-lo. Claudionor tentava de todas as formas levar o filho para o caminho de Deus para afastá-lo das drogas. Mas conforme o pastor, o filho demonstrava que não queria seguir aquele rumo.

Fora de si

O pastor ainda contou o que ouviu de familiares da vítima. “Um deles chegou ao Claudinei e perguntou porque ele tinha feito aquilo com o próprio pai. O Claudinei respondeu pro cunhado que nem sabia que era o pai que tinha matado e que só foi ver quem era depois que o corpo já estava no chão”, contou o pastor, mostrando o quão fora de si o assassino estava quando cometeu o crime.

Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo.
Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo.

Policial militar morre atropelado por caminhão; motorista fugiu e não prestou socorro