Dezoito mandados de prisão preventiva e outros 13 de busca e apreensão estão sendo cumpridos pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná (MP), nesta quinta-feira (26), por meio da operação “Em Passant”, que apura a atuação de organização criminosa em presídios do Paraná.

+Insatisfeito?? Deputado paranaense reclama de salário de R$ 25 mil. Assista!

Segundo o MP, está sendo investigado o envolvimento de integrantes de facção criminosa no tráfico de drogas, comércio e posse de armas, sequestro e cárcere privado de pessoas, além de participação em homicídios de presos ou desafetos da organização. De acordo com o coordenador do Gaeco, o procurador Leonir Batisti, as investigações já duram sete meses e estão sendo concentradas na unidade de Ponta Grossa.

Seis mandados de busca e apreensão são cumpridos nos presídios em Piraquara e Londrina e sete em residências dos investigados (dois em União da Vitória, um em General Carneiro, um em Porecatu, dois em Ponta Grossa e um em Prudentópolis).

“O objetivo das buscas é, principalmente, a obtenção de celulares que estariam com os presos, em presídios, portanto, e também de outras pessoas para acentuarmos os elementos que indicam que essas pessoas atuam no tráfico de drogas, comércio e porte ilegal de armas, além de praticarem sequestros e cárceres privados contra outras pessoas, principalmente desafetos, que muitas vezes terminam em homicídios”, explicou Batisti.

+Viu essa? Idoso é preso em Curitiba suspeito de pedofilia e aliamento de menores

As investigações tiveram início há sete meses e são conduzidas pelo Núcleo de Ponta Grossa do Gaeco, em conjunto com o 1º Batalhão da Polícia Militar daquele município. A operação conta com a ajuda do Batalhão de Operações Especiais, o Batalhão de Choque e o Serviço de Operações Especiais da Polícia Militar do Paraná.

Trio bola estratégia e plano ‘infalível’ pra roubar hipermercado em Curitiba