Os manifestantes que se reuniram para lembrar o Dia do Trabalhador e dar bom dia ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas proximidades da Polícia Federal (PF), no Santa Cândida, tiveram um motivo para comemorar na manhã desta terça-feira (1). Jefferson Lima de Menezes, o militante baleado no acampamento na madrugada deste sábado (28), recebeu alta do Hospital do Trabalhador e está bem.

A informação foi divulgada pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), que confirmou que Jefferson teve alta na manhã desta terça-feira. Antes de sair do hospital, o homem, de 39 anos, tinha passado pela UTI e também ficou em observação num quarto da enfermaria até que se recuperasse por completo. De acordo com o hospital, seu estado de saúde é bom.

Jefferson tinha sido atingido no pescoço depois que um homem chegou a pé e disparou várias vezes contra quem estava no acampamento pró-Lula. Além dele, uma advogada, que estava num banheiro químico, também ficou ferida, mas ela não chegou a ser hospitalizada e está bem.

Investigações

A Polícia Civil trata o caso como uma tentativa de homicídio e investiga a possibilidade de o tiroteio ter sido uma represália e não um atentado. Isso porque entre as testemunhas ouvidas, um educador social que disse estar ao lado de Jeferson, contou que um motorista passou pelo acampamento em um carro sedan, xingou os manifestantes e gritou apoio a um candidato à presidência. O homem disse que, nesse momento, os acampados reagiram soltando fogos de artifício e alguns jogaram pedras contra o veículo, que foi atingido na lateral.

Conforme o depoimento, no momento em que o carro foi atingido, o homem parou e gritou que voltaria para matar as pessoas que estavam ali. Menos de 20 minutos depois, um homem chegou a pé, gritou “perdeu” e atirou várias vezes. Apesar disso, a testemunha não soube dizer se era o mesmo homem que tinha se envolvido na primeira confusão e teve o carro apedrejado.

Leia também: Deputado diz que ataque ao acampamento “represália”

No sábado, dois vídeos, de câmeras que gravaram o ataque ao acampamento pró-Lula, foram divulgados pela Polícia Civil. As imagens registraram o momento em que o autor dos disparos chega caminhando ao acampamento. Depois, ele foi filmado atirando antes de fugir. De acordo com o delegado Fábio Amaro, que comanda a DHPP e está à frente das investigações, o suspeito chegou em um carro preto. O modelo do carro não foi informado, mas testemunhas teriam dito que era um veículo sedan.

Peritos da Polícia Científica recolheram, na madrugada do ocorrido, seis estojos de calibre 9 milímetros e voltaram, à tarde, ao acampamento para novas diligências. Além do educador social, outras três pessoas, entre elas um morador da região, foram ouvidas pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo a polícia, o próximo passo das investigações é ouvir Jefferson, que pode trazer elementos novos para colaborar com o trabalho dos policiais. O suspeito do crime ainda não foi encontrado e denúncias podem ser passadas pelo telefone da DHPP, que atende pelo 0800-643-1121.

Caravana

Esse foi o segundo atentado contra apoiadores do ex-presidente Lula neste ano. No dia 27 de março, um ônibus que acompanhava o ex-presidente foi atingido por tiros no interior do Paraná. Na ocasião, dois tiros perfuraram a lataria de um dos três veículos da comitiva petista na Rodovia PR-473, entre os municípios de Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul, no oeste do Estado.

Justamente no dia do Trabalhador, homem morre prensado em indústria na CIC