Inconformado com a separação e o pouco contato com os filhos, um homem de 36 anos esfaqueou a ex-mulher, de 31 anos, na noite desta terça-feira (3), dentro de uma pizzaria, na Rua Pedro Zagonel, no bairro Novo Mundo, em Curitiba. O autor das facadas foi detido por pessoas que estavam no local e a vítima encaminhada ao Hospital do Trabalhador com ferimentos no baço e em uma das mãos. O estado dela é estável.

A esposa do proprietário do estabelecimento comercial relatou alguns momentos que antecederam as facadas e chegou a ouvir os gritos da vítima. “Ela falou que o ex-marido viria aqui para trazer o dinheiro da pensão dos filhos e estava contente. Não deu meia hora, ele chegou e pediu para falar com ela. Ela disse que iria falar com ele, mas meu esposo disse que não podia entrar na cozinha. Ficou na frente da pizzaria, depois ficou no balcão e entrou na cozinha sem pedir licença”, afirmou Daiane Blum.

+Leia mais! Envolvidos com pedofilia são alvo da polícia em Curitiba!

Após entrar na cozinha da pizzaria, o rapaz ficou observando a ex-mulher que trabalhava na preparação de lanches. A vítima foi até ao depósito para recolher algumas embalagens e o autor das facadas acompanhou e ficou na porta. “Neste momento, ele acertou uma facada na barriga e cortou a mão dela, quando ouvimos os gritos. A gente estava no salão e eu saí correndo para ajudar. Ainda bem que chegou o motoboy que com o capacete afastou ele da minha direção”, relatou a esposa do proprietário.

Prisão

Após desferir os golpes, o suspeito logo foi detido pelos funcionários da pizzaria que chamaram a Polícia Militar e o Siate. “A faca foi apreendida juntamente com o individuo que foi encaminhado para a Delegacia. Ele relatou que não estava vendo os filhos, mas isso não justifica”, disse o tenente Zattera, do 13º Batalhão da Polícia Militar (PM).

Arrependido

Após ser detido, o autor das facadas teria se arrependido do ato. Chegou a chorar nos braços das pessoas que o prenderam. O relacionamento com a vítima havia terminado há 10 meses.

Nona curitibana vence o preconceito e consegue emprego aos 68 anos