Os dois irmãos que foram detidos na semana passada, no bairro Cajuru, em Curitiba, eram foragidos por tentativa de homicídio. A informação foi confirmada nesta segunda-feira (15) pela Polícia Civil, que contou detalhes da ação. Um dos rapazes, Lucas Vaz da Cunha, 28 anos, foi baleado ao tentar enfrentar os policiais e continua internado.

Conforme o delegado Rodrigo Brown, do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), os investigadores souberam, na tarde de sexta-feira (12), que os dois irmãos estavam numa casa na Rua Darci Jungles. “Imediatamente, montamos uma operação para prendê-los, porque sabíamos que não seria tão fácil detê-los”, explicou.

Quando chegaram ao local, um ponto que segundo a polícia era usado para reuniões antes dos crimes, Lucas – que ainda se recuperava de um tiro que levou anteriormente – teria enfrentado os policiais. “Ele tentou atirar contra a equipe e, de fato, foi disparado um tiro, mas ninguém foi atingido. Houve reação e ele acabou baleado”.

O rapaz foi socorrido e continua internado. Segundo a polícia, ele não corre risco de morte, mas como levou um tiro na mesma perna que já tinha sido atingida, se complicou um pouco mais. Ele é mantido sob escolta policial.

Além de Lucas, o irmão dele, André Vaz da Cunha, 25, foi detido. No local onde a dupla estava, os policiais apreenderam cinco armas (entre elas duas espingardas) e várias munições de diferentes calibres. “O que mais nos chamou a atenção foram as chapas de ferro que encontramos, o que pode apontar envolvimento deles com ataques a carro-forte”, considerou o delegado.

Armas apreendidas

À Tribuna do Paraná, André contou que as armas encontradas e apreendidas eram dele. Somente uma das espingardas, por exemplo, o rapaz disse que pagou, aproximadamente, R$ 4 mil. “Para minha defesa”, se restringiu a dizer, sem entrar em detalhes.

O rapaz preso negou envolvimento em crimes, mas é justamente isso que os policiais buscam descobrir agora. “Eles não tinham aquelas chapas de ferro à toa, elas estavam até furadas, como se estivessem preparadas para um confronto”, explicou Brown.

Para a polícia, uma certeza é a informação de que a casa onde os irmãos estavam era um ponto de encontro. “Era ali que eles se reuniam antes de cometerem crimes na região. A gente agora vai investigar quais crimes”.

O contato foi feito com a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), especializada que fez o pedido de prisão dos irmãos, para avisar da detenção dos dois. “Soubemos, através da especializada, que os dois tentaram matar um homem conhecido como ‘Rato’, na mesma região, motivados por uma disputa de gangues”, contou o delegado.

André assumiu que as armas apreendidas eram dele. Foto: Gerson Klaina
André assumiu que as armas apreendidas eram dele. Foto: Gerson Klaina