As buscas da família de Andrielly Gonçalves da Silva, de 22 anos, parecem estar próximas do fim. Na sexta-feira (8), o corpo de uma mulher com características parecidas com as da jovem, desaparecida desde o dia 9 de maio, foi encontrado em Morretes, no litoral do Paraná. Cleuza Gonçalves, a mãe de Andrielly, reconheceu o corpo da filha no Instituto Médico-Legal (IML) de Paranaguá, mas alguns exames ainda vão ser feitos para comprovar se realmente se trata do corpo da jovem.

O sumiço de Andrielly foi estranho e aconteceu enquanto a moça falava com um amigo por uma ligação de vídeo. Familiares contaram à Tribuna do Paraná que a ligação foi desligada e o próprio amigo de Andrielly percebeu uma movimentação estranha na casa da moça e disse que ela fez “cara de pânico” antes de a ligação cair.

Horas depois, o amigo recebeu uma mensagem da moça dizendo que não queria mais contato. Desde então, a Polícia Civil começou a investigar e descobriu fortes elementos que levavam a suspeita da autoria do crime ao ex-marido de Andrielly, o policial militar Diogo Coelho Costa. O soldado da PM foi preso no dia 19 de abril, quando estava internado num hospital de psiquiatria em Curitiba.

Diogo continua preso. Foto: Reprodução/ Facebook.
Diogo continua preso. Foto: Reprodução/ Facebook.

Ao ser levado para a Delegacia do Alto Maracanã, em Colombo, Região Metropolitana de Curitiba (RMC), Diogo foi ouvido por aproximadamente duas horas, mas durante esse interrogatório não quis falar nada e também não apontou onde poderia estar Andrielly.

O PM foi levado ao 22º Batalhão da Polícia Militar (BPM), também em Colombo, onde continua preso. A mãe de Andrielly conseguiu ter acesso ao soldado da PM e Diogo teria dito a ela que ela ainda encontraria a filha, mas não com o sorriso no rosto. O rapaz também teria falado à mãe que havia alguma chance de que encontrasse a filha na Serra do Mar.

Buscas pela jovem

Como a família de Andrielly é moradora do litoral do Paraná, enquanto a Polícia Civil trabalhava para tentar achar a jovem, viva ou morta, Cleuza começou a procurar por conta própria pela filha. Por vezes, a mãe da moça foi até locais em que acreditava que poderia encontrar a filha, mas sem nenhum êxito.

Na tarde de sexta-feira, porém, a história começou a mudar. A Delegacia de Morretes, no Litoral, recebeu uma denúncia com a informação de onde tinha sido encontrado um corpo de uma mulher na Estrada da Graciosa, a PR-410. O corpo, segundo a polícia, estava dentro de um saco preto e o avançado estágio de decomposição indicava que poderia estar naquele ponto há dias.

Leia mais: Câmeras de segurança gravam últimas imagens de Andriele Gonçalves

Ao ser encaminhado ao IML de Paranaguá, a mãe de Andrielly reconheceu o corpo da filha. Apesar da forma em que o corpo estava, já sem a possibilidade (por exemplo) de um reconhecimento facial, Cleuza conseguiu identificar a roupa da filha e também, o que mais pesou no reconhecimento, uma tatuagem no braço.

Confirmações

Apesar de a mãe ter reconhecido, oficialmente, o IML ainda precisa de algumas confirmações. O confronto do DNA do corpo achado com o da mãe da jovem deve ser feito, mas antes disso existe a possibilidade de que a arcada dentária de Andrielly seja comparada ao do corpo que continua no IML, mas não no de Paranaguá.

Como os equipamentos do IML de Curitiba são mais eficientes, o corpo encontrado na Estrada da Graciosa foi trazido à capital. Conforme apurou a reportagem, o cadáver vai passar por um scanner que vai ajudar também na emissão do laudo final. Além disso, com os exames anteriores de um dentista de Andrielly em mãos, os médicos legistas vão conseguir confrontar e apontar se de fato a angústia da família vai ter um fim ou não.

Delegado Zequinão: além do preso, há mais três envolvidos. Foto: Gerson Klaina
Delegado continua investigando o crime. Foto: Gerson Klaina.

O crime

Diogo é apontado como principal e único suspeito do desaparecimento e da morte de Andrielly. Os últimos registros que mostram os dois juntos foram imagens de câmeras de segurança, que mostram os dois saindo do apartamento da jovem por volta das 3h da madrugada no dia do desaparecimento.

Como a família da jovem mora no litoral, há a possibilidade de que ele tenha a convencido a ir de carro com ele para a casa dos pais dela, e no caminho cometeu o crime. A jovem vivia com o PM há quatro anos e, segundo a Polícia Civil, o relacionamento tinha acabado. “Ele não aceitava o fim do namoro”, destacou o delegado Reinaldo Zequinão Neto.

Segundo o que foi apurado até agora, no carro do rapaz, um Fiat Marea, que foi apreendido, os policiais encontraram sangue. “Suspeitamos que tenha acontecido alguma discussão entre eles e ele tenha a matado. Até pelo sangue que encontremos no carro, material que passou por perícia e ainda não temos o laudo para afirmar se era ou não da jovem”, avaliou.

A Polícia Civil ainda espera a conclusão do IML para se posicionar oficialmente. Enquanto isso, a prisão de Diogo continua válida, mas o prazo está próximo de vencer, já que é temporária, de 30 dias.

https://tribunapr.uol.com.br/noticias/seguranca/nao-sei-descrever-o-que-senti-quando-vimos-que-nao-era-larissa-diz-irmao-de-jovem-desaparecida/