O desaparecimento de uma moradora de Itaperuçu, na Região Metropolitana de Curitiba, desafia as autoridades. Depois de sair de casa para ir à terapia no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Maísa Neves Leite, de 38 anos, não foi mais vista. Familiares já fizeram o Boletim de Ocorrência junto à polícia, mas, até agora, não há pistas do paradeiro da mulher.

Sirene Neves Leite é irmã de Maísa e mora com ela. Na mesma casa vivem ainda a mãe das duas e o filho de Maísa, de apenas oito anos. “Ela tem depressão e epilepsia, mas as crises estão controladas. A gente não faz ideia do que pode ter acontecido, porque estava tudo bem até então”. A família já tentou contato com a mulher por telefone, mas o celular está desligado. As buscas nos locais onde ela poderia estar também terminaram sem sucesso.

“No HC ela não está internada, isso foi a única coisa que descobrimos no hospital”, conta Sirene. Por outro lado, a instituição ainda não informa se Maísa passou ou não pela consulta que estava agendada. “Disseram que só na segunda-feira é que vão poder dizer se ela foi mesmo ou nem isso”.

A família mora no Jardim Itaú e Maísa não é casada. Como está desaparecida, o filho dela está sob os cuidados da tia e da avó.

Informações sobre a localização da mulher devem ser repassadas à Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) pelo telefone (41) 3360-1400.

Lembre outros casos de pessoas desaparecidas:

Soldado que saiu de casa com arma e dinheiro está desaparecido.

Desaparecido, menino de sete anos é encontrado vendendo salgados.

Família procura por empresário desaparecido.

 

Acesse o Painel do Crime, a mais nova fonte de informações sobre crimes em Curitiba e região