A morte de um motoqueiro na BR-277, no Contorno Leste, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, no domingo (21), revoltou a família e provocou um protesto de mais de 100 motoqueiros nessa segunda-feira (22). Uma multidão de motociclistas tomou as ruas do centro de São José dos Pinhais, em procissão a caminho do Cemitério Campo Largo da Roseira, onde o corpo de Leandro Pires Cordeiro, de 18 anos, será velado. Ele morreu após ser baleado por policiais militares, que alegam que ele teria uma arma na cintura e teria disparado contra uma viatura.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Já no final da tarde do domingo, familiares e amigos do motoqueiro fecharam a BR-277, queimando pneus em protesto contra a morte do jovem. Eles insistiam que o rapaz não portava a arma e que a polícia teria atirado contra o rapaz sem motivo. Conhecidos do motoqueiro afirmam que o grupo em que Leandro estava fazia manobras na pista, e que eles teriam sido anteriormente repreendidos por uma viatura da Guarda Municipal da cidade.

Segundo o delegado Michel Carvalho, da Delegacia de São José dos Pinhais, a unidade tem investigação aberta sobre o caso e imagens de câmeras de segurança da região estão sendo levantadas para averiguar o que ocorreu. Ainda não há informações sobre os ocupantes das outras motos que estavam junto com Leandro no momento do incidente. A Polícia Militar foi procurada mas até o fechamento da matéria não deu posicionamento sobre o caso.

Advogada é encontrada morta em seu próprio apartamento; marido é o principal suspeito