A partir desta sexta-feira (1º), às 19h, passa a funcionar a Central de Flagrantes da Capital, 24 horas por dia, sob coordenação do delegado Fábio Machado. A unidade vai ficar no térreo do 1º Distrito Policial (DP), no Centro de Curitiba, e vai atender todas as ocorrências da Polícia Militar (PM), Guarda Municipal (GM) e outros órgão de segurança.

O objetivo da criação desta unidade é centralizar todos os autos de prisão em flagrante em um único lugar, de forma que, a partir agora deixa de existir o Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac), que funcionava no 1º Distrito Policial (DP) como Ciac Centro e no 8º Distrito Policial como Ciac Sul. Todos os serviços antes realizados lá vão ser feitos na nova Central de Flagrantes da Capital.

“Essa central visa dar mais agilidade nos atendimentos de flagrante, além de ser um local único em Curitiba, onde funcionará com quadro próprio para atender todas as ocorrências de flagrante de todos os órgãos de segurança pública”, explicou o delegado-geral da Polícia Civil, Julio Reis.

Já os Distritos Policiais de Curitiba, ficam focados nas investigações policiais, além de continuarem confeccionando Boletins de Ocorrência (B.O) durante o expediente. O 2º, 4º, 6º, 9º, 10º, 11º e 13º DPs, que não ficam responsáveis por custódia de presos, também vão funcionar no período noturno registrando B.Os.

Efetivo próprio

Ao contrário do Ciac, que funcionava num esquema de plantão no qual os policiais dos demais distritos se revezavam, a central vai contar com um efetivo próprio. Os distritos que antes já faziam os plantões, agora vão atuar dentro de cada delegacia, recebendo os presos que forem levados à central.

A nova forma de receber os flagrantes busca solucionar um problema encontrado pelos policiais, que antes ficavam comprometidos com os plantões. “Entre plantões e folgas, eram empenhados quase o triplo de escrivães e o dobro de investigadores, os quais, a partir de agora, estarão à disposição do seu próprio distrito com um maior rendimento”, explicou o delegado Francisco Caricatti.

Prazo máximo

Outra novidade é que nesta nova unidade, todas as audiências dos autos de prisão em flagrante vão ser realizadas por audiovisual, num prazo final de no máximo 24 horas. Para o delegado coordenador da Central de Flagrantes, Fábio Machado, a novidade vai tornar mais eficiente os serviços de polícia judiciária, liberando os distritos policiais para focarem em operação policiais, podendo contar com todo o seu efetivo.