Em média, seis crimes são registrados por dia nos ônibus do transporte coletivo da Grande Curitiba. O levantamento é da Guarda Municipal de Curitiba, que do início do ano até agora atendeu 1.579 ocorrências de diversas naturezas. Apesar do número ser considerado alto, a Urbs alega que o índice de roubos, em específico, caiu nos últimos meses em relação aos anos anteriores. Em 2016, oito roubos eram registrados por dia e, atualmente, cinco roubos estariam sendo registrados diariamente.

Leia mais

Por conta desse alto número de assaltos, arrastões e abusos registrados dentro dos coletivos, o Sindicato de Motoristas e Cobradores de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) vem pedindo uma série de modificações desde o inicio desses mês, quando a violência ficou ainda maior, segundo o sindicato.

Um desses pedidos é um apoio maior da própria Guarda Municipal, que atende as ocorrências. A classe pede mais viaturas dedicadas ao patrulhamento do transporte coletivo. Por meio de nota, a GM informou que vem atuando para tentar minimizar os problemas.

Alegou que criou, em fevereiro, a “Patrulha do Transporte Coletivo”, que é responsável pela ronda dentro dos ônibus, usando viaturas específicas. De acordo com o órgão, ainda há apoio de outras unidades, como o grupo de Operações Especiais da GM.

Câmeras

Outra reivindicação da classe trabalhadora é a instalação de câmeras de segurança dentro dos ônibus, com monitoramento 24 horas. Para os ônibus da região metropolitana já está sendo estudada uma medida. Segundo a Coordenação da Região Metropolitana (COMEC), esse pedido vem sendo analisado e os testes dos equipamentos de monitoramento começaram na semana passada.

No total, oito empresas estão participando dos testes em oito ônibus de diferentes permissionários do transporte coletivo metropolitano. O resultado deve ser apresentado no final de outubro e depois analisado pelo Comitê Permanente de Segurança no Transporte Coletivo Metropolitano.

Já em Curitiba, a situação é diferente. Não há nada definido quanto a instalação de câmaras dentro dos coletivos. A Urbs alegou apenas que há um sistema de monitoramento feito com 500 câmeras em terminais e estações-tubo, conectadas 24 horas ao Centro de Controle e Operação (CCO).

Além disso, segundo a nota da empresa, os ônibus da frota das linhas urbanas contam com um botão de pânico que pode ser acionado pelo motorista ou cobrador em caso de emergência. Quando ele é acionado o sistema alerta o Centro de Controle Operacional (CCO) e também as empresas de ônibus.

Delegacia

Outro pedido dos motoristas e cobradores é a criação da “Delegacia Especializada em Crimes no Transporte Coletivo”. A Polícia Civil informou que não há previsão para a criação de uma nova delegacia e ainda ressaltou que existem várias unidades especializadas competentes para atender qualquer crime envolvendo transporte coletivo, entre elas, delegacia da Mulher, de Furtos e Roubos, Estelionato e Homicídios.

Luto

No último sábado a jovem Larissa Morgana Ferreira, 24 anos, foi morta durante um confronto entre bandidos e um policial durante assalto a um ônibus em Campo Magro, Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Como protesto, ao longo de toda semana, segundo o Sindimoc, motoristas e cobradores devem vestir camiseta preta todos os dias. A classe pretende simbolizar o luto diante de inúmeras situações de violência e mortes que vem acontecendo no transporte coletivo.