Mais de 40 suspeitos de portar aparelhos roubados, 15 adolescentes e cinco maiores suspeitos de praticar e planejar roubos em shoppings e supermercados de Curitiba foram localizados em uma Operação deflagrada pela Polícia Civil na manhã desta terça-feira (2), em Curitiba. A ação foi realizada por cerca de 40 policiais da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR), que cumpriram diversos mandados judiciais desde as 6h.

A Operação Blackout, como foi denominada, teve o objetivo de colocar atrás das grades não só os executores dos assaltos, mas também os suspeitos de planejarem as ações, e ainda os receptadores dos aparelhos roubados – pessoas que adquiriram os equipamentos levados dos estabelecimentos comerciais.

Investigações

De acordo com o delegado Emmanoel David, da DFR, a equipe de investigação chegou aos autores intelectuais dos roubos de celulares nos shoppings Curitiba, Muller e Palladium, e também nos supermercados Extra e Angeloni. “Conseguimos prender de forma preventiva cinco elementos que induziam adolescentes à prática criminosa. Todos eles arquitetavam os crimes e alguns também participaram das ações dentro das lojas ou dirigindo os veículos usados na fuga”, explicou.

Além deles, 15 menores também foram apreendidos e encaminhados à Delegacia do Adolescente. “Entre eles, estão os menores responsáveis por balear um segurança durante o assalto ao Shopping Palladium”, pontuou o delegado.

Outra vertente da operação, segundo a Polícia Civil, localizou 40 suspeitos de adquirirem o material roubado. Desses, oito não conseguiram comprovar a procedência de seus celulares e foram detidos. “Eles se enrolaram na hora de explicar onde haviam adquirido os produtos. Alguns falaram que compraram IPhones de R$ 5 mil por valores próximos de R$ 300,00 em bares e até na rua”, comentou Emmanoel.

Sete deles foram liberados mediante pagamento de fiança no valor dos produtos. No entanto, um estava com muitos aparelhos roubados e responderá em regime fechado, sem possibilidade de fiança. Ao todo, foram recuperados cerca de R$ 100 mil em produtos como celulares e computadores.

Entre os 32 suspeitos que conseguiram comprovar a procedência dos aparelhos está uma senhora que preferiu não se identificar. Ela adquiriu seu celular em uma loja de celulares dentro de um shopping de Curitiba e não recebeu nota fiscal. “Me deram somente o comprovante do pagamento com cartão de crédito. Ainda bem que consegui cancelar a transação”, contou.

Bloqueio de celulares roubados

De acordo com o secretário de segurança pública,  Wagner Mesquita, a ação policial foi batizada como ‘Blackout‘ porque, a partir de hoje, a Anatel autorizou os policiais a realizarem o bloqueio do número de série dos aparelhos celulares após situações o registro do boletim de ocorrência.

“Com o bloqueio de IMEi, o aparelho não poderá mais ser habilitado. Por isso, é importante registrar a ocorrência na delegacia”, pontuou o secretário, que parabenizou o trabalho dos policiais e os incentivou a continuar as diligências para encontrar os responsáveis pelos demais assaltos.