Um pedido no mural do 20º Batalhão da Polícia Militar (BPM) tem causado polêmica entre os policiais. A ordem é para que, até próxima sexta-feira (23), os policiais militares entreguem sempre seus coletes balísticos, depois que forem utilizados. A medida estaria sendo tomada por uma escassez nos equipamentos essenciais para o trabalho dos PMs na rua.

O memorando foi assinado pelo major Hailton Jun Matsumoto, do 20º BPM, o maior em atuação em Curitiba. A princípio, a ordem vale apenas para este batalhão, mas é expressa. Os policiais, a partir da data informada, vão ter que usar os coletes em revezamento com os outros colegas de farda.

“Devido a escassez de coletes a qual se encontra na unidade, visando manter o quantitativo mínimo para trabalhar em forma de revezamento as vestes provisoriamente”, começa o documento. Além disso, o major finaliza o memorando dizendo que, “o não cumprimento da ordem poderá acarretar em sansões disciplinares”.

O documento gerou revolta entre os policiais, que começaram a se preocupar com a situação. Isso porque, além de agora terem que revezar os coletes, os PMs continuam lidando com o problema do vencimento dos coletes balísticos. O caso dos coletes vencidos tomou conta da mídia em 2016, quando uma operação da Polícia Civil encontrou mais de 11 mil equipamentos que passavam por um “recall” irregular.

Foto: Colaboração
Pedido no mural do 20º Batalhão da Polícia Militar (BPM) tem causado polêmica entre os policiais. Foto: Colaboração

O que diz a PM?

Em nota, a Polícia Militar do Paraná não confirmou a veracidade do memorando, mas também não desmentiu a informação. Segundo a corporação, “a questão da insuficiência de coletes de proteção balística retrata uma realidade que há muito tempo estava sendo pautada junto à Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária (SESP)”.

A PM disse que, com a saída do ex-secretário e o novo controle do delegado Júlio Reis, a solução do problema dos coletes balísticos se tornou prioridade. Conforme a PM, “há um processo licitatório, que está sendo conduzido no âmbito do Departamento Estadual de Administração de Materiais da Secretaria Estadual de Administração e Previdência (DEAM/SEAP), de modo que, vencidos os trâmites burocráticos, novos coletes serão adquiridos para atender às demandas mais urgentes da PM-PR e dos demais órgãos da SESP”.

Governo do Paraná proíbe empresas que forneceram coletes “fajutos” de participar de licitações