Em entrevista à RPC TV, a policial civil Kátia das Graças Belo confessou ontem que deu um tiro em direção ao chão, mas ela acredita que o disparo não foi o que matou a copeira Rosária Miranda da Silva.

Sem se identificar na reportagem, a policial falou com a imprensa pela primeira vez desde o caso ocorrido no dia 23 de dezembro. Rosária morreu no hospital no dia 1º de janeiro.

Na última segunda-feira, a policial foi indiciada por homicídio doloso – com a intenção de matar. A copeira estava em uma festa de confraternização. Irritada com o barulho do evento, Kátia disparou.

“Eu avalio como um acidente, né, uma fatalidade até porque foi dado um disparo no sentido do chão na intenção única e exclusiva de cessar o barulho, a baderna, enfim… E essa, se por ventura, foi esse tiro que realmente causou isso pra mim se trata de uma fatalidade, de um acidente de algo sem a menor intenção de que acontecesse”, afirmou a policial.