O presidente da torcida organizada Império, do Coritiba, disse que pelo menos dois torcedores ficaram feridos na confusão que aconteceu na noite desta terça-feira (17), envolvendo integrantes do Movimento Sem Terra (MST), no bairro Santa Cândida, em Curitiba. “Eles foram provocados e por isso reagiram. Qualquer torcedor que passar por ali também vai sofrer com isso”, disse Juliano Rodrigues, conhecido como Lano.

À Tribuna do Paraná, o presidente da organizada contou que o grupo de torcedores seguia para o jogo, que foi disputado no Couto Pereira, quando foram provocados pelos integrantes do movimento. “Eles são moradores do Santa Cândida e passavam pela região quando o pessoal começou a gritar ‘segunda divisão’ e chama-los de ‘coxinha’, coisas do tipo”.

Em primeiro momento, houve uma discussão, mas logo depois o bate boca saiu do controle e virou briga. “Um dos homens estava com uma manga longa e da roupa dele saiu um martelo. Outro apareceu com uma barra de ferro. Foram pra cima dos torcedores e sabemos que ninguém tem sangue de barata”.

Segundo Lano, além das duas pessoas que pertenciam ao movimento e que teriam se machucado, pelo menos dois torcedores também ficaram feridos na ação. “Apesar das informações ainda desencontradas, soubemos que um deles levou uma martelada na cabeça e o outro um golpe de ferro no braço, que foi para o hospital com suspeita de fratura”.

Nas redes sociais, Lano acabou se manifestando de uma forma que pareceu ameaçar os integrantes do MST, dizendo que “compraram uma briga que não aguentam” e que teriam que “segurar o bonde”, mas ele negou que tenha sido essa a intenção. “Foi só um comentário na hora da raiva. Afinal, eles fecham ruas, jogam barracas na frente da casa dos outros e ninguém pode falar nada. Se fosse qualquer outro movimento fazendo isso, levaria bala de borracha”, defendeu.

print1

A Tribuna do Paraná apurou, com a Polícia Civil, que nenhum boletim de ocorrência foi registrado por nenhum dos envolvidos, nem na Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demafe), como também no 4º Distrito Policial (DP). O presidente da Império, porém, disse que vai orientar os torcedores feridos a registrarem queixa com a polícia, pois eles foram as vítimas. “E alertamos também outros torcedores para que tomem cuidado, porque isso aconteceria com qualquer torcida que passasse por ali. Eles provocariam qualquer um”.

Os integrantes do movimento foram procurados pela reportagem e informaram que os dois feridos na confusão foram atendidos no local e depois voltaram para a casa. Os representantes do acampamento não deixaram claro se vão registrar o boletim de ocorrência sobre o ocorrido, mas pediram que a segurança fosse aumentada na região enquanto estiverem por ali.

A Segurança Pública do Paraná (Sesp-PR) disse, em nota, que o grupo descumpriu o acordo firmado em reunião, que previa o uso do Parque Atuba, onde já estava programada a presença de viaturas da Guarda Municipal (GM). Segundo a Sesp, os locais onde os manifestantes estão acampados não foram informados para as forças de segurança.

Coritiba

Em nota oficial em seu site, o Coritiba afirma que repudia qualquer ato de violência e invoca sua história, construída sobre a “diversidade, que acolheu todas as origens, cores, credos e ideologias” para pregar a “tolerância e a coexistência pacífica”.

Integrantes do MST alegam agressões de torcida organizada em Curitiba