O suspeito de matar o ex-policial militar Rodrigo Barbosa, de 35 anos, Erikson Piaceski, vulgo Guga, foi preso nesta quinta-feira (25) em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Os dois eram amigos, mas teriam deixado de ser a partir do momento que a esposa de Guga passou a traí-lo com Rodrigo. O suspeito é traficante de drogas e o ex-PM era cliente dele, de acordo com o delegado Michel Carvalho.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias de hoje sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

“Era uma relação de amizade, que passou a ter relação com mulheres, culminada com muito uso de droga. Rodrigo foi até a casa do de Guga junto com um colega, também ex-policial e juntos, passaram a ameaçá-lo, tentaram matá-lo e inclusive cortaram um dos dedos deles, por conta de uma conversa que Guga teria gravado. A partir disso, a esposa de Guga o deixa e passa a se relacionar com os ‘ex-PM’s’. Ela passa dois dias com Rodrigo Jaques e Rodrigo Barbosa, gasta o dinheiro do Guga em um motel e, através disso, ele perdeu cerca de R$ 6 mil. Ele não suporta o corte do dedo, a perda da esposa, o dinheiro e vai até a casa da vítima para matá-lo”, explicou.

+ Leia mais: Bêbado e sem CNH, rapaz atropela meninas e acaba agredido a pauladas pelo povo

O corpo de Rodrigo Barbosa foi encontrado por moradores na Estrada do Pinheiro Seco, em São José dos Pinhais (RMC) na manhã do dia 2 de janeiro deste ano. O cadáver estava dentro de um saco plástico, coberto por galhos, às margens da estrada rural. Ele estava desaparecido desde o dia 24 de dezembro.

Exonerados!

Barbosa foi exonerado por envolvimento com uma quadrilha de assaltantes. Ele morava com um o ex-colega de farda, Rodrigo Jaques de Souza, que também foi exonerado pelo mesmo motivo. Jaques de Souza chegou a ser apontado como suspeito do crime, mas a hipótese foi descartada, já que eles eram amigos e sócios.

+ Leia também: Família da Grande Curitiba contesta versão de confronto com a PM

“Constatamos que a vítima era muito parceira deste colega, tinham uma amizade e até mesmo sociedade nos negócios. Ambos foram até a casa de Guga para cortar o dedo dele. A morte foi culminada por conta deste dedo cortado, mas este outro ex-PM não estava na cidade no dia do crime. Guga também estava atrás do outro ex-PM, também de nome Rodrigo, mas ele estava fora da cidade”, finalizou.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Beto Richa é alvo de mandado de prisão preventiva!