O clássico entre Coritiba e Atlético Paranaense, que acabou com vitória do Coxa, neste sábado (3), não foi tão pacífico quanto todos esperavam, mas acabou de uma forma satisfatória sob avaliação da Polícia Militar (PM). Durante o trabalho para reforçar a segurança para os torcedores, vários pontos de confrontos entre torcidas rivais foram registrados. Pelo menos quatro pessoas foram detidas. Uma delas com uma arma.

Conforme a PM, foram vários os acionamentos pelo número 190 denunciando rixas em alguns locais da cidade. A corporação informou que atendeu a todos os chamados, mas ninguém foi preso nestas situações.

Um dos primeiros confrontos foi no Terminal do Fazendinha. Quando os policiais chegaram, já não encontraram mais nenhum torcedor. Pouco tempo depois, no mesmo bairro, próximo ao Cemitério Jardim da Saudade, as equipes prestaram apoio à Guarda Municipal (GM) na abordagem a torcedores. Todos foram dispersos.

Mais tarde, torcedores do Atlético Paranaense provocaram tumulto próximo à Praça do Japão, no bairro Água Verde. “Equipes foram ao local e os torcedores se dispersaram. Um rapaz, que fugiu pela Avenida Silva Jardim, foi abordado e identificado, mas nada de ilícito foi comprovado”, explicou a tenente Thaislainy Pereira Scolaro, do 12º Batalhão.

Arma apreendida

Os policiais ainda atenderam um chamado por rixa próximo a um bar na Rua Brasílio Itiberê, no Rebouças, mas sem ninguém detido. Já no bairro Boqueirão, uma das situações mais graves foi registrada durante a escolta da delegação do Atlético.

“Uma arma de fogo foi apreendida com um homem que estava vestido como torcedor. Ele fugiu da abordagem, mas foi encontrado”, disse o capitão Lima, da Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam). O rapaz foi encaminhado ao Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac-Sul), no Portão.

No estádio

As outras três situações que acabaram com detidos aconteceram dentro do Couto Pereira, local onde aconteceu o jogo. Um rapaz foi preso por desacato a policiais civis, outro homem detido por lançar uma bomba caseira e um jovem flagrado com drogas. “Na situação da bomba, ninguém ficou ferido”, salientou o capitão Gildo Cezar dos Santos Lima. Todos os detidos dentro do estádio foram encaminhados ao Juizado Especial Criminal (JECRIM).

Já no entorno do estádio, conforme informou o capitão Lima, nada grave foi registrado. A operação, para o PM, obteve resultado satisfatório. “O planejamento de segurança, acordado entre os representantes das torcidas organizadas e os clubes, foi cumprido e não tivemos desacertos”.