Rodrigo de Oliveira Camargo, 30 anos, baleado na última sexta-feira (12), no bairro Califórnia, em Araucária, Região Metropolitana de Curitiba (RMC), recebeu alta no início dessa semana, mas não prestou depoimento à polícia sobre o tiroteio que vitimou sua esposa, de 25 anos, e filha, de apenas quatro anos. De acordo com o delegado João Marcelo, ele levou um tiro na perna, mas recebeu alta no domingo (14) e não foi localizado depois disso.

“Na sexta feira uma equipe conversou brevemente com ele, porque ele estava sendo atendido. Pedimos a ele que quando saísse procurasse a gente, porque ele é testemunha dos fatos. Ele saiu do hospital no domingo à tarde e até agora não nos procurou. A gente foi até a casa em que ele morava, mas ele não estava no local. Não sabemos se ele se esconde por medo de retaliação, ou por outro motivo”, contou o delegado responsável pelo caso.

Para encontrar os autores do crime a polícia está colhendo depoimentos e investigando denúncias anônimas. O delegado acredita que, de fato, ele era o alvo dos bandidos. O homem tem passagem pela polícia por tráfico de drogas.

O crime

Segundo a Polícia Militar (PM), que atendeu a ocorrência na última sexta (12), o carro em que pai, mãe e a menina estavam foi seguido por ocupantes de um Cobalt prata. Dentro do carro, dois homens encapuzados e armados já estavam prontos para executar os três. Quando o veículo finalmente conseguiu parar ao lado do Fox da família, no cruzamento das ruas Tiriva com Tangará, a dupla efetuou vários disparos e não poupou sequer a criança. Rodrigo perdeu a direção do carro ao ser atingido e bateu numa árvore.

Com a criança no colo, a esposa de Rodrigo, de 25 anos, morreu abraçada à filha. O homem ainda conseguiu abrir a porta do carro e tentou sair correndo. Ele parou em frente a uma casa para pedir socorro e acabou sendo atropelado. Rodrigo foi socorrido, pelo Siate, e encaminhado ao Hospital do Trabalhador.