A morte de quatro jovens, no que a Polícia Militar (PM) disse ter sido um confronto, na noite de sexta-feira (27), resultou em um protesto na noite deste sábado (28). Familiares e amigos dos quatro jovens se reuniram para protestar contra o que chamam de ação da PM e exigir que as mortes sejam investigadas, pois afirmam que o crime não foi um confronto. O protesto teve balas de borracha disparadas por policiais, segundo quem esteve no local.

+Viu essa? IML é invadido por grupo revoltado com a morte de homens em confronto com a PM

A manifestação interditou a Rua Brigadeiro Franco, no Parolin. Pelo menos 70 pessoas, entre família e amigos dos jovens mortos, se reuniram para protestar e queimaram pneus fechando a rua, que é uma das principais do bairro.

Pouco tempo depois que o protesto era feito, chegaram viaturas e as pessoas disseram que os PMs teriam agido de forma truculenta. Conforme os relatos de quem estava na manifestação, os policiais dispararam balas de borracha e algumas pessoas acabaram atingidas. Não houve registro oficial de quantos feridos.

+Sorte, hein? Apostador do Paraná fatura R$ 5,6 milhões da Mega Sena

O confronto

Segundo a família dos jovens, que tinham entre 15 e 21 anos, o que aconteceu no cruzamento das ruas Major Fabriciano do Rêgo Barros com Padre Dehon, no Hauer, em Curitiba, não foi um confronto. Segundo a PM, os quatro jovens – dois deles irmãos – estavam numa Tucson com alerta de roubo e que, após passar em alta velocidade por uma viatura, foram seguidos.

O confronto teria acontecido na tentativa de abordagem, depois que, segundo a PM, o rapaz que dirigia fugiu e o carro só parou quando o rapaz se envolveu num acidente, capotando o veículo. Ao descerem, os rapazes teriam atirado contra os policiais, que reagiram.

Na ocorrência, conforme a própria PM informou, houve a apreensão de três revolveres e uma pistola, mas a família afirma que os rapazes não teriam reagido. De qualquer modo, assim como em toda situação de confronto, um Inquérito Policial Militar (IPM) foi aberto para apurar como tudo aconteceu.

Morte de policial militar na RMC será investigada pela Polícia Civil