“Estou torto com este negócio na mão” , assim reclamou, nesta quinta-feira (24), Bruno Henrique Gomes, 21 anos, ao se referir à algema que deixava ele preso da Delegacia de Estelionato de Curitiba. O rapaz é suspeito de tentar aplicar o “golpe do motoboy” na capital paranaense.

+Leia também: Guarda municipal na UTI e suspeito de roubo morto após confronto na RMC

Segundo investigação da Polícia Civil, Bruno ligava aleatoriamente em números de telefone fixo. Ao atender a chamada, a vítima era questionada se teria realizado compra em shoppings e lojas com um cartão de crédito. Naturalmente, do outro lado da linha, a vítima entra em desespero pois tudo indica que o cartão tenha sido clonado.

“Na sequência, o rapaz afirma que um motoboy irá até a residência para pegar o cartão de crédito. Aí, compras são realizadas em valores altos, passando até do limite”, disse o Delegado Emmanoel David, da Delegacia de Estelionato de Curitiba.

+Leia também: Suspeitos de vender CNH falsa são presos com cocaína em bairro de Curitiba

“Casa caiu”

No entanto, um dia a casa iria cair para Bruno. O suspeito ligou para uma pessoa que trabalha em uma agência bancária. “Esta pessoa entrou em contato conosco por ter conhecimento que nenhuma instituição financeira faria tal medida. Fizemos o flagrante deste indivíduo que veio de Minas Gerais”, relatou Emmanoel David. Agora, Bruno vai ficar a disposição da Justiça e a algema que tanto reclamou vai ficar de lado, ao menos por enquanto…

Lei do silêncio impera e polícia fica sem detalhes de assassinato na RMC