O terror tomou conta da zona sul de Curitiba. Desde o início do ano, inúmeros assaltos a estabelecimentos comerciais e de serviços e os do tipo conhecido como “saidinha de banco” vêm sendo registrados e a população não sabe mais o que fazer.

As ações são sempre muito parecidas: os bandidos chegam de moto com armas já em punho e rendem as vítimas rapidamente. A forma como elas reagem é o que determina o nível de violência e, somando apenas oito dessas ações, o montante em dinheiro levado pelos criminosos foi de quase R$ 70 mil, sem contar outros objetos como celulares e outros pertences.

A Tribuna teve acesso a alguns Boletins de Ocorrência, que reúnem uma série de relatos. Dois deles referem assaltos a um mesmo restaurante do bairro Pinheirinho em um intervalo de aproximadamente um mês.

Nos documentos, as informações prestadas pelas vítimas e testemunhas falam de “homens altos, fortes e com boa aparência”. Eles não têm receio de tirar os capacetes e mostrar o rosto, usam pistolas, agem em qualquer hora do dia e, em pelo menos um dos casos, não hesitaram em atirar e matar um homem que tentou defender uma mulher que era assaltada.

O delegado-titular da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) de Curitiba, Matheus Laiola, afirma que a polícia está ciente do problema. “Nós não estamos de braços cruzados, pelo contrário. Sabemos exatamente o modus operandi desses bandidos e já temos uma investigação em curso”. Detalhes, no entanto, ainda são mantidos em sigilo para não comprometer a apuração.

Qualquer informação que ajude a polícia a identificar os bandidos pode ser repassada pelo número 181, do disque denúncia, ou diretamente à DFR pelo telefone (41) 3218-6100.

Planejamento

Uma das características dos assaltantes é a de que, em determinadas abordagens, eles levam junto as chaves dos carros das vítimas. Essa é possivelmente uma medida para inibir a locomoção das pessoas e gerar mais tempo para a fuga sem que o os bandidos sejam seguidos.

A região sul da capital é formada por 16 bairros inteiros mais parte da Cidade Industrial de Curitiba (CIC). Os Boletins de Ocorrências aos quais a Tribuna teve acesso indicam crimes cometidos no Capão Raso, Fanny, Pinheirinho, Sítio Cercado e Xaxim, mas os casos não estão limitados apenas a eles.

Polícia Militar

A Tribuna também procurou a Polícia Militar, que se manifestou sobre o assunto por meio de nota. Confira na íntegra:

“Nos últimos meses o 13º Batalhão, responsável pela área tem direcionado esforços à atividade preventiva de crimes, com projetos sociais comunitários, a fim de criar uma cultura de paz. O policiamento diário de patrulhamento preventivo e ostensivo vem sendo feito diariamente em todos os bairros citados, o que tem resultado em diversas prisões e apreensões.

No entanto, se as pessoas já possuírem características de marginais que rondam a área ou informações como placas de veículos, tipo de vestimenta, cabelos e horários, devem repassar à Policia Civil, que é responsável pela investigação e identificação de suspeitos, para que as medidas pertinentes sejam tomadas. A PM está disponível via 190. O registro do Boletim de Ocorrência também é importante”.

A PM também orienta que as pessoas fiquem atentas ao sair de qualquer estabelecimento comercial, olhando para os lados a fim de identificar atitudes suspeitas; que evitem andar com grandes quantidades de dinheiro; que não contem cédulas em público; que evitem deixar envelopes ou malotes visíveis; que prefiram fazer transações no cartão; que não abram a carteira diante de outras pessoas e; que evitem deixar valores de maneira visível dentro de veículos.