Brasília – A vinda a Brasília do doleiro Antônio Oliveira Claramunt, o Toninho da Barcelona, fez com que os responsáveis pela segurança do Senado e a Polícia Federal montassem um forte esquema para o transporte do doleiro, condenado a 25 anos de prisão. Ele vai depor às 11h30 de amanhã (20), em sessão conjunta das comissões parlamentares de inquérito (CPI) dos Bingos, dos Correios e da Compra de Votos.

Antonio Claramunt foi condenado por envolvimento em atividades relacionadas à lavagem de dinheiro proveniente de jogos de bingos. Num primeiro depoimento, em São Paulo, a parlamentares da CPMI dos Correios, ele requereu o direito à "delação premiada", que prevê a redução da pena em troca de informações relevantes para investigações. E prometeu contar o que sabe do esquema de envio irregular de dinheiro para o exterior.

Excepcionalmente, o corregedor do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP), autorizou a entrada de policiais armados nas dependências do Congresso, o que é probido pela Constituição Federal, com exceção dos responsáveis pela segurança na Câmara e no Senado.

O depoimento, no plenário 3 das comissões do Senado, será acompanhado por dois policiais federais, segundo Rauf de Andrade Mendonça, chefe de gabinete da Polícia da Casa. A chegada de Toninho da Barcelona está prevista para as 10 horas. O doleiro sairá de Curitiba, onde cumpre pena, por volta das 7h20, no avião da Polícia Federal. Ainda de acordo com Mendonça, policiais do Senado e federais estarão na pista do Aeroporto Internacional de Brasília.

O transporte do doleiro até o Congresso será feito por três viaturas da Polícia Federal e duas da Polícia do Senado. No corredor das comissões, a segurança estará reforçada e o retorno a Curitiba está previsto para as 19h40 de amanhã, segundo a assessoria de Imprensa da CPI dos Bingos.

"Está tudo sob controle, já conversei com a segurança da Casa e com os agentes federais, acho que será um depoimento como qualquer outro", afirmou o presidente da CPI dos Bingos, senador Efraim Moraes (PFL-PB).