O número de falências decretadas no Brasil em julho subiu 30% e o de requerimentos, 7,8%, na comparação com o mesmo mês de 2004.

No acumulado do ano, no entanto, houve queda de 4,4% em relação aos primeiros sete meses do ano passado. Os dados foram divulgados hoje pela Serasa, empresa privada especializada em análises e informações de compensações bancárias e crédito.

No mês de julho, foram 347 as falências decretadas, ante as 267 de 2004. E o número de requerimentos de falência subiu de 720 para 776. Já na comparação entre os sete primeiros meses dos dois anos, as falências decretadas caíram de 2.602 para 2.487 e as requeridas, de 8.229 para 6.310.

A razão para o aumento dos números em julho, segundo a Serasa, está na desaceleração da atividade econômica observada ao longo deste ano, decorrente da elevação das taxas de juros e de maior endividamento das empresas.

O estudo da Serasa registra ainda que 35 casos foram deferidos em julho, o que representa baixa de 7,9% em relação a igual período do ano passado, quando foram deferidos 38 casos. De acordo com a instituição, a queda está associada à substituição da categoria jurídica da concordata pela de recuperação judicial ou extrajudicial, a partir da entrada em vigor da nova Lei de Falências, em junho.