O secretário especial do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, ministro Jacques Wagner, contestou hoje as informações de que o Banco Central (BC) está fazendo há mais de um mês simulações do impacto que uma alta de 1,5 ponto porcentual da Selic traria na inflação e na economia. Segundo ele, essa simulação seria “uma loucura”. “Determinadas coisas da economia você não pré-anuncia, nem que vai baixar, nem que vai subir”, disse Wagner.

“É como anunciar com muita antecedência que você vai fazer uma liquidação em um shopping center. O resultado é que ninguém mais compra”, afirmou ele. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central se reúne na terça e quarta-feira para decidir a taxa básica de juros (Selic), hoje em 16%.

Segundo o ministro, o BC, ao longo do governo Lula, tem trabalhado para manter o equilíbrio de uma série de variáveis da economia brasileira para que se garanta o crescimento do País. “E essa conotação não é ideológica, é de quem está analisando os números e tomando medidas para isso”, disse Wagner. “A sociedade deveria tirar um pouquinho da agenda do dia-a-dia a reunião do Copom, porque a economia tem a sua lógica e está passando por um grande momento, que é de crescimento”, ressaltou ele.