A Polícia Federal prendeu hoje à tarde uma servidora do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), lotada em Curitiba, e o contador da Borabora Madeiras, de Araucária, na região metropolitana de Curitiba, acusados de corrupção. De acordo com a polícia, a servidora estaria recebendo um envelope com R$ 10 mil em troca de favorecimento ilegal. Os nomes dos acusados foram mantidos em sigilo.

A entrega do dinheiro, feita em frente à sede do Ibama em Curitiba, foi filmada pelos policiais. Além do dinheiro foram apreendidos documentos, entre eles uma notificação do Ibama no valor de R$ 50 mil, que ainda estão sendo examinados. O superintendente-substituto do Ibama, Valdeci Raimundo, disse que há alguns dias a PF telefonou pedindo ajuda em razão de denúncias de que estaria ocorrendo irregularidades.

O instituto repassou vários documentos para a investigação dos policiais. Segundo ele, a servidora está há 20 anos no Ibama. Além de responder à ação penal, ela será submetida a processo administrativo, podendo inclusive ser exonerada. "Não compactuamos com essa situação", acentuou Raimundo. A reportagem não conseguiu falar com os responsáveis pela empresa.