O sindicalista e servidor público do Rio Grande do Sul, Rogério Marzola, disse, há pouco, no Instituto Médico Legal (IML), que foi derrubado pelas costas por soldados da Polícia Militar e arrastado para dentro da Câmara dos Deputados. O servidor participava de manifestação de protesto contra a reforma da Previdência em frente ao Anexo 2 da Câmara. ?Fui chutado no chão e algemado. Foi tudo injustificado, pois não houve provocação e o protesto foi pacífico?, afirmou Marzola. O sindicalista foi mantido incomunicável por 20 minutos em uma sala do Anexo II.

Ele fez exame de corpo de delito no IML e um protesto junto à Comissão de Direitos Humanos da Casa. Marzola afirmou que havia policiais e tropa de choque dentro da Câmara e não fora, como é habitual.