São Paulo – O Sindicato Nacional dos Aposentados da Força Sindical (Sindnapi) decidiu nesta segunda-feira (16), após reunião com as principais centrais sindicais, em São Paulo, que vai realizar uma manifestação para protestar contra o reajuste de 3,30% concedido pelo governo na semana passada aos aposentados que ganham acima do salário mínimo.

?O aumento de 3,30% é uma vergonha, enquanto que o medicamento durante o ano subiu o dobro disso aí?, afirmou João Batista Inocentini, presidente do sindicato, que considerou o reajuste ?uma vergonha?. ?Quanto mais idosos e velhos ficamos, mais medicamentos vamos tomar. Queremos recompor nosso poder de compra e garantir que podemos viver dignamente. Não queremos nada demais?, disse.

O presidente do sindicato afirmou que a primeira manifestação foi marcada para o próximo dia 25 (quarta-feira), às 10 horas, na Avenida Paulista, em São Paulo. A previsão é de que cerca de 10 mil pessoas participem da manifestação.

O movimento também pretende um pedido de audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. ?Se o presidente não nos atender, nossa idéia é fazer, a cada semana, uma manifestação em uma capital até que ele possa nos receber e ouvir o pedido dos aposentados?, adiantou.

Inocentini disse defender também a reforma da previdência, ?mas não a reforma do jeito que muita gente quer, que é de acabar com a previdência social?. Para ele, o ideal seria uma previdência única, ?porque hoje, para cada tipo de aposentadoria, você tem uma forma de se fazer cálculo. Tinha que ser um cálculo só?.

?Hoje há uma fábrica para se fazer auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. E isso tem que acabar. A forma de arrecadar da Previdência Social está errada. (…) Dessa forma a previdência vai falir?, disse Inocentini, que acredita que as contas da Previdência e da seguridade social deveriam ser uma só, ?tanto para pagar quanto para receber?.