O deputado federal Reinhold Stephanes (PMDB-PR), escolhido para substituir Luís Carlos Guedes Pinto no Ministério da Agricultura tem 67 anos e é de Porto União (SC), apesar de ter nascido em uma comunidade rural na divisa com União da Vitória (PR). Economista, formado na Universidade Federal do Paraná e com especialização em Administração Pública na Alemanha, Stephanes já ocupou cargos públicos no Paraná e nos governos dos ex-presidentes Ernesto Geisel, Fernando Collor de Mello e Fernando Henrique Cardoso.

Na política está em seu sexto mandato como deputado federal, cargo para o qual foi eleito pela primeira vez para o mandato de 1979 a 1983 pela antiga Arena. Já passou pelo PDS, PFL e PMDB, seu partido atual. O primeiro cargo público foi o de secretário da Fazenda de Curitiba (PR), entre 1966 e 1967. Stephanes trabalhou por quatro anos no Ministério da Agricultura, que agora irá comandar, o que pode ser uma resposta às críticas de que não ele não tem conhecimento do setor, feitas pelos deputados ruralistas.

Stephanes foi subsecretário de Planejamento e Orçamento e secretário-geral do Ministério da Agricultura entre 1970 e 1973 e diretor do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Em 1974, assumiu a presidência do antigo Instituto Nacional da Previdência Social (INPS) no governo Geisel e permaneceu no órgão que deu origem ao Ministério da Previdência até 1979. No mesmo ano assumiu a Secretária da Agricultura do Paraná, onde permaneceu até 1981, durante o mandato do então governador Nei Braga.

Em janeiro de 1992, foi escolhido como ministro do Trabalho e Previdência para substituir Antonio Rogério Magri, durante o governo Collor. Stephanes deixou o cargo em outubro daquele ano após Collor ser cassado e voltou ao comando da pasta em 1º de janeiro de 1995, com a posse de Fernando Henrique Cardoso. Stephanes permaneceu no ministério até abril de 1998.

Após deixar o Ministério da Previdência, o novo ministro da Agricultura foi ainda presidente do Banco do Estado do Paraná (Banestado), antes da privatização daquela instituição financeira.