O ministro Cezar Peluso, do Supremo Tribunal Federal (STF), pode decidir nesta segunda os pedidos de relaxamento de prisão feitos no final de semana pelos advogados dos desembargadores José Ricardo de Siqueira Regueira e José Eduardo Carreira Alvim e do advogado Silvério Néri Cabral Junior, presos com outras 22 pessoas na última sexta-feira na Operação Hurricane (Furacão). A defesa de Regueira protocolou o pedido ontem. Os advogados de Carreira Alvim e de Cabral Junior entregaram o pedido no sábado. A expectativa é que outras solicitações semelhantes sejam encaminhados durante a semana ao STF.

Relator do inquérito no STF, Peluso foi o responsável por determinar as prisões. Além de decidir sobre os pedidos de relaxamento, ele terá de atender às demandas dos advogados dos presos, que querem ter acesso ao conteúdo do inquérito. Por decisão do ministro, o processo corre sob segredo de Justiça.

Advogados dos presos ameaçaram acionar a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e ingressar com petição no Supremo Tribunal Federal (STF) alegando cerceamento de defesa. Ontem eles discutiram com policiais federais, protestaram contra a falta de acesso a seus clientes e ao conteúdo das acusações. Reclamaram também das condições da prisão. A Assessoria de Imprensa da PF informou que todos os procedimentos da operação estão sendo feitos dentro da lei.