Pela segunda vez num prazo de 15 dias foi suspenso hoje (15) o julgamento no
Supremo Tribunal Federal (STF) do pedido de libertação do empresário chinês Law
Kin Chong, preso há nove meses sob a suspeita de prática de corrupção ativa e de
tentar impedir o regular funcionamento da CPI da Pirataria. No início do mês,
dois integrantes da 1ª Turma do STF votaram pela soltura do empresário, mas a
votação foi interrompida por um pedido de vista do ministro Carlos Ayres Britto.
Hoje (15), Britto votou contra a libertação do chinês sob o argumento de que se
fosse solto, Law poderia supostamente utilizar o seu poder econômico em
atividades irregulares.

O ministro também observou que o decreto de
prisão mencionava a existência de supostas ramificações da organização criminosa
em órgãos públicos. Além de ser contra o pedido do chinês, Britto conseguiu
reverter o voto que era favorável à soltura do empresário por causa do suposto
excesso de prazo da prisão. Com o placar de 2 contra Law e 1 a favor, o ministro
Cezar Peluso pediu hoje vista, adiando novamente a conclusão do
julgamento.