O superávit comercial brasileiro atingiu US$ 7,67 bilhões no acumulado do ano até a quarta semana de abril, com exportações de US$ 24,3 bilhões e importações de US$ 16,7 bilhões. Na quarta semana deste mês (19 a 25), o superávit comercial chegou a US$ 690 milhões, com exportações de US$ 1,61 bilhão e importações de US$ 923 milhões no período. Até ontem (25), as exportações no mês acumulavam US$ 4,9 bilhões e as importações US$ 3,4 bilhões, com superávit de US$ 1,5 bilhão.

As exportações na quarta semana de abril cresceram 33,1% acima das vendas registradas até a terceira semana do mês. Houve aumento de 58,2% nas exportações de produtos básicos, 40,6% nas de semimanufaturados e de 40,6% nas de manufaturados. As importações, no entanto, só aumentaram 1% em relação ao ritmo verificado até a terceira semana de abril. Na quarta semana do mês, a média diária de exportações foi de US$ 403,3 milhões, contra a de US$ 303 milhões verificada até a terceira semana.

Entre os produtos básicos, tiveram destaque na quarta semana as exportações de soja em grão, minério de ferro, petróleo em bruto, carne de frango, bovina e suína, café em grãos e fumo em folhas. Entre os semimanufaturados, se evidenciaram as exportações de celulose, ferro, aço, açúcar em bruto, ferro-ligas e ferro fundido. No segmento manufaturados os destaques foram as vendas de automóveis, suco de laranja, motores para veículos, calçados, fio-máquina de ferro/aço, óleos combustíveis, e açúcar refinado.

Até a quarta semana, a média diária das importações chegou a US$ 229,2 milhões, 14,9% acima da média de abril de 2003 (US$ 199,5 milhões). Na comparação com abril do ano passado, cresceram as importações de produtos siderúrgicos (51,7%), instrumentos de ótica/precisão e médico (32,6%), adubos e fertilizantes (23,2%), combustíveis e lubrificantes (20%), aparelhos elétricos e eletrônicos (17,4%), veículos automóveis e partes (17,2%), plástico e obras (14,6%) e químicos orgânicos e inorgânicos (14,3%).

Em relação a março deste ano, houve redução em abril nas aquisições de adubos e fertilizantes (-39,4%), cereais e produtos de moagem (-21,6%), produtos farmacêuticos (-20,6%), químicos orgânicos/inorgânicos (-17,8%), equipamentos mecânicos (-14,3%) e plásticos e obras (-7,1%).