Rio – O presidente em exercício do PT, Tarso Genro, disse hoje (12) que o PT será "vanguarda no combate ao sistema de financiamento paralelo dos partidos no Brasil". Ele assegurou que a legenda assumirá todas suas responsabilidades e que acompanhará e punirá a cada um dos envolvidos em denúncias de corrupção e caixa dois para financiamento de campanhas. "A partir de agora, iniciaremos a "refundação do partido", afirmou.

Sobre o discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, feito antes de iniciar a reunião ministerial na Granja do Torto, Genro disse que ele foi excelente, mas que é "apenas um ponto de partida". Em seu pronunciamento no fim da manhã, o presidente afirmou que não tem vergonha de dizer ao povo brasileiro que o PT e o governo têm de pedir desculpas pelos erros.

Segundo Genro, a fala de Lula "inicia um diálogo social, político e, certamente, apresentará medidas à sociedade para dar sustentação às importantes declarações que ele (o presidente) fez ao país no dia de hoje". Para o dirigente petista, no entanto, se o pronunciamento for tratado como um comunicado que encerra o assunto, evidentemente, é insuficiente."

As declarações de Genro foram dadas após entrevista coletiva concedida à imprensa na sede da Associação dos Correspondentes Estrangeiros. Na sabatina, ele admitiu que o PT enfrenta o momento mais grave de sua história. "O partido falhou ao ter atuado em simbiose permanente com o governo, ao invés de ter permanecido crítico e alerta", reconheceu.

Na avaliação do dirigente, a oposição, que vem falando em iniciar um processo de impeachment (impedimento) do presidente, "está mais preocupada na destruição total do PT, que no afastamento de Lula". Um erro, segundo ele, que "levaria a uma crise ainda mais grave".