Rio ? O aumento do desemprego em Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre já era esperado, até mesmo com índices superiores aos registrados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo o coordenador do estudo do instituto, Cimar Azeredo.

Tradicionalmente no início dos anos há a dispensa de muitos trabalhadores temporários contratados no final do ano anterior e, conseqüentemente, o retorno deles ao mercado de trabalho pela procura de emprego. "Este ano não foi diferente. No entanto, a taxa subiu menos do que era esperado, ainda como reflexo das contratações de qualidade, ou seja, empregos com carteira de trabalho assinada, registradas no último trimestre de 2005", acrescentou.

O coordenador do estudo do IBGE, Cimar Azeredo, disse que desde o início da nova série da pesquisa, em março de 2002, o índice registrado em janeiro, de 9,2%, foi o segundo menor, perdendo apenas para a taxa de 8,3% de dezembro do ano passado.

A pesquisa mostra que em relação a dezembro, o emprego com carteira de trabalho assinada ficou estável em janeiro e que na comparação com janeiro de 2005 foram criados cerca de 492 mil postos de trabalho formal, um aumento de 6,4%. Já o número de trabalhadores por conta própria teve uma redução de 3,8% em relação a dezembro: 148 mil pessoas a menos nessa categoria.

Em relação a dezembro, o maior número de demissões ocorreu no setor de limpeza urbana, serviços pessoais, alojamento e transporte. Cerca de 104 mil pessoas foram dispensadas nessas áreas.