Javier Soriano/AFP

O técnico da Alemanha, Joachim Löw, negou nesta sexta-feira qualquer falta de respeito em relação à Argentina, depois das declarações de Bastian Schweinsteiger.

“Nós não faltamos com o respeito em relação à Argentina. Respeitamos os argentinos. A Argentina tem um jogo físico e dá tudo de si, é muito sul-americano”, explicou Löw, na véspera da partida entre os alemães e os comandados de Diego Maradona pelas quartas do Mundial.

“A Argentina é um país acolhedor, com pessoas gentis, mas, no gramado, são muito agressivos, foi isso o que o Bastian disse”, explicou Low, referindo-se às declarações de Schweinsteiger.

“O ano de 2006 não deve ficar em nossas cabeças”, acrescentou, referindo-se à briga na qual se viram envolvidos alemães e argentinos no Mundial daquele ano.

“Bastian deu seu ponto de vista pessoal, é preciso haver liberdade de expressão, mas se vocês me perguntarem, lembro dessa partida de quatro anos atrás de outra maneira. Não acho que foi uma partida marcada pela violência ou por gestos não regulamentares”, afirmou ainda.

“Os argentinos são apaixonados, se envolvem muito no gramado, por isso é preciso estar preparado, pois são fisicamente fortes, jogam no limite do que é permitido”, enfatizou.

“Na quarta-feira, Schweinsteiger declarou que os argentinos eram desrespeitosos, e tentavam influenciar os árbitro, aludindo à briga que aconteceu na partida pelas quartas de final entre a Alemanha e a Argentina (1-1 depois da prorrogação e 4 a 2 nos pênaltis) no Mundial-2006.

Löw recordou que no Mundial anterior os problemas aconteceram na hora da cobrança dos pênaltis, um momento ao qual espera que sua seleção não chegue neste torneio.

“Em 2006, a situação se degenerou depois da partida, mas é preciso terminar esta partida no tempo regulamentar, antes dos pênaltis”, afirmou, referindo-se à partida que será disputa neste sábado.