Professores e representantes dos 14 Colégios Agrícolas do Estado participaram de um curso sobre a utilização da tecnologia do biodigestor. A finalidade do curso foi de preparar material para ser repassado aos alunos das escolas que deverão ter conhecimento do método que estimula a sustentabilidade às propriedades rurais.

O curso foi realizado em Toledo, no colégio agrícola da cidade que desenvolve pioneiramente a tecnologia criada pelo Instituto Tecnológico do Paraná (Tecpar). O biodigestor tem como função utilizar os dejetos da cultura suína como matéria prima para a fabricação de gás combustível, fertilizante e de alimentação destinada à piscicultura.
Segundo o técnico do Tecpar, Alexandre Akira, o sistema do biodigestor foi criado para oferecer sustentabilidade para as pequenas propriedades rurais e é uma forma de aproveitar resíduos animais evitando, dessa forma, que poluam e prejudiquem o meio ambiente. “Com apenas cinco suínos esse sistema já pode funcionar garantindo a produção do gás metano ? que pode substituir o gás de cozinha e serve também como produtor de energia elétrica ? e com a sobra deste processo, temos o biofertilizante e a alimentação para peixes”. Akira explica que o custo da ração utilizada para a alimentação dos peixes corresponde a aproximadamente 70% do lucro final da piscicultura.
Segundo Camilo Vanzetto, diretor da Escola Agrícola de Toledo, este método foi implantado pioneiramente em Toledo por ser uma região que concentra uma das maiores produções de suínos do País e devido a isso, existe uma grande preocupação com o destino dos dejetos. “No município criamos aproximadamente 331.400 suínos e abatemos diariamente 6.300 e o biodigestor traz benefícios tanto para o produtor quanto ao meio ambiente”.