A terra tremeu, por volta das 21 horas de ontem (30), em sete dos 29 municípios que compõem a região do semi-árido sergipano: Nossa Senhora das Dores, Moita Bonita, Siriri, Santa Rosa de Lima, Divina Pastora, Malhador e Cumbe. O tremor chegou a assustar os moradores e foi acompanhado pelo Grupo de Geologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e pela Defesa Civil. "Foi ouvido um estrondo e as pessoas tiveram a sensação de que alguns objetos balançaram", disse o coordenador do grupo, professor Luiz Carlos Fontes. A equipe agora estudará onde foi o epicentro.

O tremor não chegou a ser registrado pelo Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB). "Significa que foi um tremor de magnitude inferior a quatro na Escala Ritcher", explicou o professor do Departamento de Sismologia da UnB, Lucas Vieira Barros. Ele acredita que o abalo tenha ficado em até 3,5.

Este é o terceiro tremor de terra nos municípios do semi-árido sergipano. O primeiro ocorreu em setembro de 1993. O segundo, dois dias depois. "É uma região recorrente deste tipo de abalos" afirmou o professor Luiz Carlos, observando que isso coloca o grupo sob alerta. "Não imaginamos risco à população, mas estamos atentos para orientação e prevenção", comentou.

No dia 7 de janeiro deste ano, também foi registrado um tremor em cinco cidades dos Estados de Alagoas e Sergipe. A análise de dados recebidos de diversos centros de pesquisas mostrou que não houve nenhum abalo significativo próximo à costa brasileira, que pudesse refletir no continente. Isso pressupõe que tratou-se de um evento local de baixa intensidade ocorrido nas proximidades de Própria, na região do Baixo São Francisco, em Sergipe.