Roberto Schmidt/AFP

A vencedora não só oferecerá o primeiro título ao seu país como se unirá à seleta lista de ganhadores do troféu, em que estão Uruguai, Itália, Brasil, Inglaterra, Alemanha, Argentina e França. Será o décimo título da Europa, contra nove da América do Sul.

A Espanha parte ligeiramente como favorita e terá a vantagem de que a Holanda não fará um jogo completamente defensivo como os que a equipe de Vicente del Bosque encontrou na maioria dos jogos.

A Fúria, depois de perder a primeira partida contra a Suíça (1-0), venceu Honduras (2-0), Chile (2-1), Portugal (1-0), Paraguai (1-0) e Alemanha (1-0).

A Laranja Mecânica ganhou todos os jogos. Primeiro, Dinamarca (2-0), Japão (1-0) e Camarões (2-1) na primeira fase, e depois Eslováquia (2-1), Brasil (2-1) e Uruguai (3-2). Então, se derrotar a Espanha, será a segunda equipe da história a ganhar todos os jogos da Copa, depois do Brasil em 1970, quando venceu sempre nas eliminatórias e na fase final.

“A Holanda é uma seleção que tradicionalmente faz um bom futebol. Há anos tenta o título. É uma equipe que tem estrada. Será uma final com duas grandes seleções”, afirmou o técnico espanhol Vicente del Bosque.

O técnico holandês Bert Van Marwijk também é só elogios para os adversários: “A Espanha é uma equipe que produz o melhor futebol, e o mais bonito dos últimos anos”, disse. “Mas não tenho medo absolutamente nenhum”, garante.

A aposta da Holanda será marcar Xavi e Iniesta, os dois grandes armadores da Espanha, enquanto a Fúria vai tentar abafar Sneijder e Robben, os dois grandes nomes da Laranja Mecânica.

“Sneijder é um grande jogador. Vamos ter que parar todos, não dar tempo de pensar”, afirmou o volante espanhol Sergio Busquets.

A Copa do Mundo teve que esperar chegar à África para fazer justiça a duas seleções rainhas até agora sem coroa, mas só uma delas vai subir ao trono ao som das cornetas que tanto marcaram este Mundial, as vuvuzelas.

Estas são as prováveis escalações de Espanha e Holanda para a final do Mundial, domingo, no Soccer City, em Johannesburgo, a partir das 15h30 no horário de Brasília.

Holanda: Maarten Stekelenburg – Gregory van der Wiel, John Heitinga, Andre Ooijer, Giovanni van Bronckhorst (cap) – Mark van Bommel, Nigel de Jong – Arjen Robben, Wesley Sneijder, Dirk Kuyt – Robin van Persie. Técnico: Bert van Marwijk.

Espanha: Iker Casillas (cap) – Sergio Ramos, Carles Puyol, Gerard Piqué, Joan Capdevila – Sergio Busquets – Xavi Hernández, Xabi Alonso, Andrés Iniesta – Pedro (ou David Silva ou Fernando Torres), David Villa. Técnico: Vicente Del Bosque.

Árbitro: Howard Webb (ENG).