A quantidade de cheques devolvidos por falta de fundos cresceu 20,1% em agosto, na comparação com o mesmo período de 2004, de acordo com estudo divulgado nesta segunda-feira pela Equifax.

No período, foi constatada a devolução de 3.405.514 cheques, o que representou aproximadamente 570 mil a mais do que o verificado em agosto do ano passado (2.835.654 cheques) e o maior volume para o mesmo período em toda série histórica – iniciada em 1995 – da empresa de análise de crédito. Em relação a julho de 2005, houve também crescimento, de 7%.

Conforme interpretação da Equifax, os números demonstram que uma forte tendência de alta verificada em junho, que havia diminuído em julho, voltou em agosto. A empresa destacou que as causas, do ponto de vista macroeconômico, estão na desaceleração da atividade econômica, na estagnação da remuneração dos trabalhadores e na trajetória ascendente das "elevadíssimas" taxas de juros reais praticadas no País.

Em relação à comparação entre os meses de agosto e julho de 2005, a Equifax salientou que o crescimento verificado é "importante", porque em agosto normalmente há uma redução das devoluções na comparação com julho. Para a assessoria econômica da companhia, o final das férias teria estimulado um comportamento mais prudente do consumidor.

Títulos protestados

Além inadimplência com cheques, a Equifax apurou também aumento na quantidade de títulos protestados em agosto ante o mesmo período de 2004. No confronto de dados, houve aumento de 14,7%. Já em relação a julho de 2005, foi verificado comportamento praticamente estável, com variação negativa de 0,1%.

De acordo com a assessoria econômica da empresa, a redução de 0,25 ponto porcentual da taxa básica de juros, na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), não deve alterar o quadro macroeconômico brasileiro atual. Desta maneira, a Equifax projeta para os próximos meses um cenário de inadimplência alta no País.