Com a conclusão no final de julho do conjunto residencial Moradias Parque das Pitangueiras I, em Medianeira, a Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) retirou 40 famílias que viviam em ocupações irregulares e favelas localizadas em áreas de mananciais e de preservação ambiental no município. ?Esse é o início de um processo de transformação social para Medianeira, que tem os mesmos problemas sofridos pelas grandes metrópoles?, diz o presidente da Cohapar, Luiz Claudio Romanelli.

As famílias que até pouco tempo atrás residiam em barracos de madeira e lona agora vivem em casas de alvenaria do programa Casa da Família/PSH, realizado em parceria com o Ministério das Cidades e a prefeitura municipal. Outras 50 moradias serão construídas com recursos próprios do Governo estadual, mediante convênio assinado no final do mês passado pelo governador Roberto Requião.

A auxiliar de serviços gerais Lorenice Teodoro dos Santos, 24 anos, é uma das beneficiárias com o Casa da Família. Casada, com dois filhos, Lorenice vivia em uma casa precária de madeira na favela Panorama, antes de mudar para o Parque das Pitangueiras. ?O barraco ficava na beira do rio e as inundações eram freqüentes, mas isso faz parte do passado?. Com a moradia nova, ela está feliz pelo fato de exercer uma ?dupla função?. ?Sou dona-de-casa e da casa agora?, diz Lorenice, já instalada em uma casa de alvenaria de 40 metros quadrados, com dois quartos, banheiro, sala, cozinha estrategicamente localizada em um terreno de esquina.

Outro novo mutuário da Cohapar que se mudou para a casa própria em Medianeira, é o pizzaiolo Simão Sirineu Zebronski, 36 anos. Ele ocupava irregularmente uma área no bairro Belo Horizonte e se incomodava muito com a situação. ?A casa era velha, o aluguel era caro e não tinha banheiro dentro?, lembra. A família, formada pela esposa e quatro filhos, sofria com o desconforto na casa anterior e também com as constantes mudanças de endereço. ?Se não tivesse o programa da Cohapar, seria muito difícil conseguir a casa própria?, diz Zebronski.

Para a construção das moradias, a Cohapar desenvolveu um método de gerenciamento de obras, denominado Gestão Comunitária. Pelo sistema, a construção das unidades habitacionais ocorre com a participação efetiva da comunidade, através da Associação de Moradores, que contrata a Cohapar para prestação de serviços de planejamento, implantação e fiscalização das obras. Com a medida, a economia obtida pela Cohapar chega a 50%, quando são comparados os custos praticados no mercado. Com a implantação da Gestão Comunitária, a Cohapar recebeu, neste ano, o prêmio Selo de Mérito, da Associação Brasileira de Cohabs (ABC).