Brasília – Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deverão aprovar amanhã (02) à noite uma série de instruções para a eleição de outubro. Num período de escândalo envolvendo caixa dois de campanha, o TSE poderá baixar regras para tentar inibir irregularidades nas contas dos candidatos. A principal delas é polêmica porque poderá tornar obrigatória a prestação de contas a cada 15 dias ou mês. Nas eleições passadas os candidatos tinham de prestar contas apenas após a votação.

Relator das instruções, o ministro Carlos Eduardo Caputo Bastos, do Tribunal Superior, disse que a grande novidade desta eleição em matéria de instruções será relativa à prestação de contas. Nela, deverá ser discutida uma sugestão para que sejam postas na internet as informações sobre arrecadação e gastos de campanha. A idéia é que os eleitores possam acompanhar de forma on-line o caixa dos candidatos.

Mas o tribunal terá de definir se os nomes dos doadores serão ou não divulgados durante a campanha. Há um argumento de que, com a divulgação, os doadores passariam a ser procurados, incansavelmente, por outros candidatos em busca de recursos. Bastos afirmou que, se o órgão não conseguir aprovar amanhã todas as instruções, uma nova reunião poderá ser convocada para sexta-feira (03) ou sábado (04).

Ele disse que o Tribunal Eleitoral não definirá, por enquanto, regras para reduzir custos de campanha. Há uma proposta no Congresso para restringir a distribuição de brindes e diminuir os custos da campanha. Bastos afirmou que não há impedimentos se a norma for aprovada até antes do início da campanha.