Os hospitais universitários acumulam uma dívida de cerca de R$ 400 milhões segundo a Associação dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes). Nesta semana, o Ministério da Educação propõe transformar os hospitais em empresas públicas, autarquias federais ou fundações públicas de direito de federal.

O presidente da Comissão de Hospitais Universitários da Adifes, Arquimedes Ciloni, informou que vai apresentar um relatório com os resultados do encontro para a reunião do conselho pleno dos reitores da Andifes na qual será produzido e enviado ao MEC um documento com sugestões.

"Eles esperam que, com a nossa contribuição, eles consigam fechar uma proposta para ser apresentada no âmbito da reforma universitária modificando a situação jurídica dos hospitais universitários", contou. "Como nós temos imensos problemas tanto de financiamento quanto de gestão, a mudança se faz necessária", disse.

De acordo com Arquimedes Ciloni, que também é reitor da Universidade Federal de Uberlândia (MG), um dos principais motivos da dívida acumulada é a terceirização dos funcionários que aumentou os gastos das instituições. "Seria necessário a abertura de 10 mil vagas para zerar os quadros da fundação de apoio", afirmou.

O reitor disse ainda que dos 46 hospitais universitários federais apenas o Hospital de Clínicas de Porto Alegre funciona há 35 aos como empresa pública. "É uma experiência que deu certo. A diferença é que ele é o único que tem orçamentação própria com vinculação administrativa e acadêmica do hospital a universidade, com o orçamento separado do orçamento para a área acadêmica daquela instituição", contou.