É grande a possibilidade de Emerson Leão deixar o meia Roger no banco de reservas contra o Bragantino, domingo, em Bragança Paulista. O treinador gostou e elogiou muito ontem o rendimento do jovem Willian, no empate por 1 a 1 com o Marília. De quebra, anda insatisfeito com o baixo nível apresentado por seu ex-titular e irritado pelas críticas feitas por ele sobre a falta de ousadia do time diante do Palmeiras.

O meia garante não estar preocupado ou com medo de perder a vaga. ?Nem um pouco. O professor [Leão] tem de jogar com aquilo que acha que cumprirá melhor a situação tática pretendida por ele?, disse hoje o jogador, no Parque São Jorge, após trabalhos físicos com o preparador Fernando Leão. ?Infelizmente estava suspenso para a partida [de Marília], mas estou disposto a ajudar, independentemente da forma que ele me utilizar?, seguiu o jogador, com semblante fechado, alguns momentos até de cabeça baixo na entrevista coletiva.

Leão já havia cogitado deixar o jogador de fora no início do Paulista. A ameaça deixou Roger ligado e com fome de gols: foram quatro diante do Rio Claro e a conquista de um respiro. Agora, mais uma vez parece demonstrar pouca disposição, apesar do discurso otimista. ?É sempre bom jogar e estou pronto, em dia?, afirmou, sem muita convicção.

O grande problema é a pressão sobre Leão. O técnico foi bastante questionado por ter deixado Willian no banco contra o Palmeiras – o que deixou a equipe ofensivamente frágil. Ontem, com a suspensão de Roger, teve mais uma vez de apelar para o garoto de 18 anos e não se decepcionou.

Apesar do empate, Willian deixou o time mais rápido e ofensivo. ?Realmente ele vem crescendo bastante de rendimento e tem meu total apoio?, disse Leão, ainda nos vestiários em Marília. Como o técnico acha que a equipe fica vulnerável com dois meias, Roger está bastante ameaçado.