Brasília ? Segundo o ministro da Previdência, Nélson Machado, o presidente do Instituto Nacional de Seguridade Social, Valdir Moysés, já se aproximou diretamente de todas as gerências executivas do órgão para iniciar a abertura imediata das agências paralisadas pela greve no órgão.

"O novo presidente do INSS está ?circularizando? todas as gerências executivas para que façam um esforço de que estas agências sejam abertas imediatamente", afirmou.

O ministro explica que essa ação foi necessária depois que o procurador da República no Distrito Federal, Peterson de Paula, entrou com uma ação civil pública determinando abertura imediata das agências da Previdência Social, sob pena de multa diária para a União e para o INSS.

"Nós tomamos conhecimento que o Ministério Público do Trabalho entrou com uma ação na segunda-feira. O que nós estamos fazendo é atuar no sentido de fazer as agências abrirem suas portas", justifica Machado.

De acordo com o ministro, a greve é mais acentuada nas capitais. "Principalmente em Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Pernambuco", ressalta. Por isso, segundo ele, estes são os lugares onde a maior parte dos servidores teve o ponto cortado. "O ministério da Previdência, cumprindo legislação em vigor e orientações do ministério do planejamento, efetuou o desconto dos dias parados no final do mês de diversos servidores."

O último balanço da greve divulgado pelo ministério indica que 27,1% das agências da Previdência Social estão paradas. O restante, ou 72,9% do total, prestam serviços mesmo que de forma parcial.