A Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) informou hoje que, após o encerramento da oferta secundária de ações ordinárias (ON) da Usiminas, realizada em conjunto com a Previ (fundo de pensão do Banco do Brasil, pretende vender 36.691 papéis remanescentes da siderúrgica – que integravam a opção de lote suplementar e não foram exercidos. Segundo a Vale, a venda no entanto só poderá ocorrer após o término, ou renúncia, do "período de bloqueio" previsto na operação, que dura 90 dias contados a partir de 25 de abril deste ano. A oferta secundária trata-se de papéis de empresas que já possuem capital aberto.

A mineradora detalhou que, no âmbito da oferta, vendeu 13.802.499 ações, sendo 14.676 sob a forma de global depositary shares (GDS), tendo recebido um total de R$ 1,475 bilhão, equivalente ao preço de R$ 110,00 por papel ordinário e US$ 54 36 por GDS – preços definidos em bookbuilding (ferramenta para a apuração de intenções de compra de ativos via internet).

A oferta compreendeu, inicialmente, a distribuição de 12.034.078 ações detidas pela Vale, mas a companhia outorgou uma opção ao coordenador líder para distribuição de até 1.805.112 papéis adicionais, nas mesmas condições e preço, para atender a um eventual excesso de demanda. "O coordenador exerceu parcialmente a opção, adquirindo 1.768.421 ações suplementares.

A mineradora disse ainda que manterá 6.608.608 ações da Usiminas que não integraram a operação e estão vinculadas ao atual acordo de acionistas, do qual a Vale é signatária, participando do bloco de controle da siderúrgica.