Os candidatos à prefeitura de Curitiba – Beto Richa (PSDB) e Ângelo Vanhoni (PT) – trocaram várias farpas no debate promovido hoje à noite pela Rede Bandeirantes de Televisão, mas conseguiram expor as idéias para as maiorias dos problemas que afligem a população, sobretudo saúde, educação, segurança, emprego e atendimento social. Foi um debate quente, em que os nervos de ambos foi testado. Vanhoni não perdeu nenhuma oportunidade de chamar seu oponente de vice-prefeito, o que de fato ele é, em razão da coligação entre PFL e PSDB, que elegeu o atual prefeito Cassio Taniguchi (PFL). Quando Richa fazia promessas, principalmente as que envolvem obras, Vanhoni lembrava que ele também tinha sido secretário de Obras da atual administração.

“Você fez pelo menos uma obra que agora está prometendo?” questionava. “Essa sua sensibilização está surgindo agora, quando é candidato a novo mandato?” Richa, por seu lado, respondia que Vanhoni estava tentando “confundir a opinião pública”, acentuando que teve poucas oportunidades durante a administração Taniguchi, mas que, quando as teve, fez o que acredita. Citou as audiências públicas que instituiu em suas interinidades e, principalmente, a redução da tarifa de transporte coletivo em uma das viagens do prefeito, o que levou ao rompimento entre eles. Richa, quando podia, acusava Vanhoni de fazer parte do grupo que promoveu várias invasões de áreas na cidade.

O debate quase descambou quando Richa enfureceu-se com as seguidas referências de que seria candidato à reeleição. “A administração teve seu candidato, que foi o Osmar Bertoldi, e já foi julgada. Agora é entre nós”, irritou-se. “Eu tenho apoio do governador Roberto Requião e do presidente da República, por que você não diz que tem apoio do Jaime Lerner, do Taniguchi, do Álvaro Dias? Vamos fazer um debate franco”, replicou Vanhoni. “Eu faço debate franco com a população. Tenho apoio do Álvaro Dias, que é de meu partido. Por que você não revela que tem apoio do Waldomiro Diniz, do Giovani Gionédis (ex-secretário de Lerner)? Os candidatos somos eu e você. Vamos esquecer os outros”, propôs Richa.

Depois disso, o candidato tucano fez uma pergunta sobre combate à droga, lembrando que Vanhoni, há alguns anos, havia titubeado quando questionado sobre o assunto. O candidato do PT voltou a confessar que experimentou drogas, mas que, em razão de sua formação e do apoio da família, tinha superado e agora tinha experiência para tratar com seriedade desse assunto. “Eu não titubeio em dizer que nunca usei drogas”, afirmou Richa.

Em termos de propostas, houve a mesma enxurrada de outras campanhas, como construção de creches, melhoria na qualidade do ensino, privilégio à educação infantil, transporte coletivo e geração de empregos, cada um prometendo que fará mais que o outro. Mas naquilo que os dois consideram essencial há o mesmo posicionamento: ambos prometem administrar junto com a população, fazendo reuniões nas comunidades para decidir onde aplicar os recursos.