Brasília – O governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB), declarou há pouco o apoio à pré-candidatura do governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto (PMDB), a presidente. Vasconcelos e Rigotto almoçaram no Restaurante Piantella, em Brasília, e, depois da conversa, o governador pernambucano se disse convicto de que o governador gaúcho vencerá as prévias do partido para escolha do candidato próprio a presidente. Rigotto disputa a indicação com o secretário de Governo e Coordenação do Estado do Rio, Anthony Garotinho.

A prévia marcada para 5 de março, mas como esta data cai no domingo depois do carnaval, a disputa deverá ser adiada para o dia 19. Ao mesmo tempo em que Vasconcelos e o governador do Rio Grande do Sul conversavam no restaurante, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), almoçava com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na Residência Oficial do Torto. Rigotto, no entanto, disse não ver dificuldade nesse encontro. "Eu espero que Renan tenha repetido ao presidente Lula aquilo que já vem dizendo, publicamente: que a candidatura própria do PMDB à Presidência é irreversível", afirmou.

O governador de Pernambuco admitiu que há três correntes dentro da legenda: a que trabalha pela candidatura própria, a ala governista, que gostaria de se compor com Lula e o grupo que preferiria se aliar ao PSDB. Vasconcelos, no entanto, considera que tanto os que preferem os petistas como os que se juntar se aos tucanos não terão sucesso na tentativa dessas alianças. Ele é identificado com o grupo dos tucanos, mas adverte: "Mesmo que eu me dispusesse a trabalhar numa aliança com o PSDB, que não é o caso, eu não levaria o partido. Quem imagina que pode levar o PMDB para uma composição com os tucanos vai malhar em ferro frio." "A tese da candidatura própria, hoje, é fortíssima e está muito enraizada no partido", completou.