Os ingressos para os Jogos Pan-Americanos do Rio ainda não começaram a ser vendidos. Parece ser esse mais um ?calcanhar de Aquiles? do Comitê Olímpico Brasileiro e dos organizadores. O JT teve acesso ao regulamento do processo seletivo das empresas brasileiras ou consórcios internacionais (até cinco empresas) dispostos a fornecer o serviço durante Pan, e se deparou com algumas exigências.

O CO-Rio (Comitê Organizador dos Jogos de 2007) não se pronuncia sobre o assunto. A venda dos ingressos para todas as modalidades havia sido prometido para o começo do ano, depois para fevereiro e agora já se fala em março. Pessoas ligados ao evento recusam-se a informar sequer se a empresa já foi escolhida. Pelo calhamaço de 46 páginas a que o jornal teve acesso, essa decisão deveria ter sido tomada dia 21 de dezembro de 2006.

Entre as exigências feitas pelo CO-Rio uma chama a atenção: a empresa escolhida terá de mostrar comprovante de participação na operação de venda de ingressos em pelo menos um evento esportivo internacional ou cultural com a presença de meio milhão de expectadores. E esse evento pode ter sido realizado nos últimos dez anos.

A empresa escolhida compromete-se a ?desenvolver o software adequado à venda de ingressos pela internet, sua manutenção em operação sem interrupções, bem como a estruturação de pontos de vendas e suas respectivas operações.

O contrato com o CO-Rio vai até 30 de setembro. E todas as despesas serão por conta da empresa. As propostas para participar da licitação foram entregues ao CO-Rio dia 20 de dezembro, através do processo de seleção número 006-11/2006.

Os interessados no trabalho deveriam ainda apresentar um plano de ação para resolver os seguintes problemas: fila nas bilheterias, fila nos postos de vendas, duplicidade de ingressos distribuição dos ingressos e queda no sistema eletrônico de vendas pela internet.

O CO-Rio levaria em conta as propostas e qualificações das empresas, além do percentual que iriam cobrar por cada bilhete vendido.

Todos os quesitos solicitados seriam pontuados e a somatória deles apontaria o vencedor. Se já existe um, o CO-Rio guarda seu nome a sete chaves. Até ontem, nenhum bilhete dos Jogos havia sido vendido. As obras do Pan também estão atrasadas.

O Comitê Organizador do Pan 2007 solicita ainda, a título de Garantia de Cumprimento das Obrigações Contratuais, R$ 30 milhões a serem pagos com cheque calção, seguro-garantia ou fiança bancária. O dinheiro será devolvido 30 dias após a prestação de contas.

Na hipótese de infração ?gravíssima? por parte da empresa escolhida, ela terá de pagar ao Co-Rio multa diária de R$ 40 mil. E se a falta ocasionar rompimento do contrato, a empresa terá de pagar ao CO-Rio multa de R$ 2,5 milhões em 48 horas após o desacerto.