Brasília, 21 (AE) – O presidente da Câmara dos Deputados João Paulo Cunha (PT-SP), confirmou hoje (21) à noite que a medida provisória do salário mínimo não mais será votada hoje (21) pelo plenário da Casa, em função da morte do ex-governador e ex-presidente nacional do PDT Leonel Brizola, que faleceu nesta noite (21), aos 82 anos, no Rio de Janeiro.

João Paulo disse que pretende avaliar, durante o dia de amanhã (22), com os líderes aliados se a MP poderá ou não ser votada na quarta-feira (23). O presidente da Câmara lamentou a morte de Brizola. Disse que recebeu a notícia “com tristeza”.

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, declarou-se “consternado” com a morte de Brizola. Ciro lembrou que o ex-líder do PDT foi seu aliado no primeiro turno da campanha presidencial de 2002. “O Brasil perde um grande patriota, e eu perco um grande amigo”, afirmou Ciro, lembrando a história política de Brizola.

O presidente do PT, José Genoino, também lamentou a morte do ex-governador e lembrou que, na campanha presidencial de 1989, 1998 e no segundo turno da campanha de 2002, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi apoiado por Leonel Brizola. “As últimas divergências que tivemos não alteram nossa consideração, nosso respeito pela figura de Brizola”, declarou Genoino.