João Luiz foi vítima de uma queda
que pode ter sido acidental ou provocada.

Suicídio, acidente ou latrocínio? É cercada de mistério a morte do estudante João Luiz Carta Júnior, 20 anos, encontrado ontem de manhã dentro do prédio inacabado do Fórum Criminal, na Praça Nossa Senhora da Salete, Centro Cívico. Sem sinais de tiros ou facadas, ele foi vítima de uma queda que a polícia investiga se foi acidental ou intencional.

O cadáver do jovem foi localizado às 11h de ontem pelo gari João Pedro dos Santos, 41 anos, que usou o esqueleto do prédio como abrigo, da chuva que tomou conta da cidade. O corpo estava rente a um vão na parte de dentro da estrutura e apresentava fraturas em ambas as pernas e no braço direito, além de escoriações nas costas – lesões que não deixaram dúvida quanto a uma queda de considerável altura. Ao lado, apareciam a pasta escolar com cadernos e apostilas, os óculos quebrados e uma carteirinha que o identificava como aluno da 1.” Série C do Colégio Estadual Prieto Martinez, localizado na Rua Nilo Peçanha, Bom Retiro. Nos bolsos da calça, havia três reais.

Hipóteses

A perita Gisele Floriani, do Instituto de Criminalística, estimou que a morte ocorreu antes da meia-noite de quinta para sexta-feira. O fato que intrigou o investigador Délcio Razera, da Delegacia de Homicídios, foi a ausência do par de sapatos do rapaz – deixando a suspeita de um assalto seguido de assassinato. A hipótese de que alguém tenha furtado os tênis ou sapatos após a morte também foi considerada. “Vamos descobrir o horário de aula dele. A primeira suposição é que tenha se perdido na escuridão e caído”, imagina o policial, que teve a difícil incumbência de comunicar a morte ao pai do jovem, através do número de telefone anotado num dos cadernos de João. A possibilidade de suicídio ou assassinato se reduz pelo fato de o estudante ter sido encontrado muito perto do vão pelo qual despencou – se saltasse ou fosse arremessado cairia a uma certa distância.

O prédio do Fórum é freqüentemente visitado por estudantes – tanto que um sargento da PM expulsou vários deles da estrutura às 15h de quinta-feira.

A Delegacia de Homicídios vai interrogar parentes do rapaz em busca de dados que esclareçam a morte.