Mais ou menos que 190 quilômetros por hora? Essa foi a única pergunta que os peritos criminais preferiram não responder. Eles participaram, na noite de segunda-feira, da reconstituição do acidente em que o carro do ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho matou Gilmar Rafael Souza Yared e Carlos Murilo Almeida. Porém, foi apurado que o Passat de Carli Filho atingiu o Honda Fit dos jovens a meio metro do chão e estava a mais de 120 km/h.

Os peritos, coordenados pelo chefe da Divisão Técnica do Interior, do Instituto de Criminalística, Marco Aurélio Pimpão, optaram por refazer seus cálculos, antes de dar o valor exato. A informação deve ser divulgada assim que os laudos forem concluídos e entregues à polícia.

O delegado Armando Braga de Moraes Neto, titular da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran), preferiu chamar os trabalhos de análise. Segundo ele, para uma reconstituição, seriam necessários veículos semelhantes aos envolvidos e “refazer” o acidente.

Dinâmica

O trabalho, na Rua Ivo Zanlorenzi, perto da esquina com a Paulo Gorski, no Mossunguê, durou duas horas, para esclarecer a dinâmica do acidente. Carli Filho não participou da simulação. Segundo Moraes Neto, por conta do ex-deputado relatar que não se lembrava de nada, ele pouco colaboraria com os trabalhos. Uma testemunha do acidente e imagens das câmeras de um posto de gasolina próximo ajudaram no levantamento.

Ao final dos trabalhos, o advogado da família Yared, Elias Matar Assad, concluiu que a análise deu resultados muito semelhantes à perícia paralela que ele solicitou e que gerou um vídeo, disponível no site You Tube. Assad criticou que a simulação deveria ter sido mais completa. “Teria que iniciar no restaurante onde o ex-parlamentar jantou e bebeu com amigos.”

Inquérito

O delegado Moraes Neto disse que, com os laudos em mãos, ele pretende relatar o inquérito e encaminhá-lo ao Ministério Público. Os peritos preferiram não dar um prazo da concluirão dos documentos.

Destroçadas

Familiares e amigos do jovem Gilmar Yared acompanharam a análise de anteontem. Cristiane, mãe de Gilmar, afirmou que deseja tão-somente a verdade e que lutará por um trânsito mais seguro. “Vou cuidar para que os filhos de todos tenham uma cidade melhor. Queremos famílias inteiras, não destroçadas.”

A família de Almeida não acompanhou os trabalhos. Segundo o advogado Juarez Kister, que a defende, o rapaz morto só tinha uma irmã e a mãe, que ainda não superou o trauma.

Radares sem registros

Um ponto ainda é obscuro. Carli Filho saiu de um restaurante no Batel, onde jantou com amigos e bebeu muito vinho. Demorou 37 minutos desde que saiu do estabelecimento até o momento do acidente. Não se sabe por quais pontos da cidade ele passou, pois não há registros da placa do Passat que ele dirigia pelos radares da região. Carli Filho mora na Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, via rápida paralela à qual colidiu com o Fit de Almeida e Yared e onde há radares.

O porteiro do prédio onde o ex-deputado mora assegurou que Carli Filho não passou em casa naquele intervalo de tempo. Poucos metros antes do local da colisão há um radar, que também não registrou a passagem do Passat.

Pai soube ao ver cama vazia

Redação

Carli: tragédia pra três famílias.

Pela primeira vez, o pai do ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho, o prefeito de Guarapuava, Fernando Ribas Carli (PP), falou com a imprensa, ontem. Porém, somente os veículos de comunicação da região foram convocados para a entrevista coletiva.

O prefeito se referiu ao acidente como uma “tragédia que acometeu três famílias”. Segundo ele, a sua família só ficou sabendo do ocorrido às 10h30 da manhã do dia 7, quando percebeu que o filho não havia dormido em casa. “Quando soube, perdi o chão”, disse.

Emocionado, o prefeito de Guarapuava contou ainda que foi ele quem disse ao filho o que havia ocorrido. Carli não descartou a possibilidade do ex-deputado voltar à política. “Ele tem apenas 26 anos e só sofreu um acidente”, disse. Carli disse que pretende conversar com as famílias dos jovens mortos, mas que ainda não sabe quando vai fazer isso.

Recuperação

Carli Filho já está indiciado por duplo homicídio com dolo eventual, ou seja, quando a pessoa sabe dos danos que sua atitude pode causar e assume o risco ao praticá-la. Neste caso, Carli Filho sabia que, ao dirigir embriagado, poderia acarretar em grave consequência, além de estar com a carteira suspensa.

Segundo a assessoria de imprensa do prefeito, Carli Filho está reagindo bem ao tratamento e continua acompanhado pelos médicos de São Paulo. A assessoria, diz que os médicos estimam que o ex-deputado se recuperará totalmente dentro de quatro a seis meses.